O que seu chefe pensa quando você desliga a câmera

Grande parte dos executivos dos Estados Unidos acredita que empregados que não ligam as câmeras estão navegando na internet ou nas redes sociais.

Madeline Halpert
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Uma pesquisa apontou que 95% dos executivos dos Estados Unidos acreditam que o home office deixa o funcionário em desvantagem

Acessibilidade


Cerca de 92% dos executivos norte-americanos acreditam que funcionários que não ligam suas câmeras durante reuniões virtuais ou que estão frequentemente em silêncio não têm futuro na empresa. Entre eles, 96% concordaram que os trabalhadores remotos são desfavorecidos em comparação àqueles que vão para o escritório.

Leia mais: Executivas contam o aprendizado da maternidade que levaram para a carreira

O estudo, que foi encomendado pela empresa de software Vyopta, entrevistou 200 executivos de empresas com 500 ou mais funcionários entre 9 a 17 de março. Eles descobriram que mais de 40% dos executivos pensam que quem está mutado ou com a câmera desligada está navegando na internet ou nas mídias sociais.

Quase metade dos executivos pesquisados ​​​​disse que as empresas não estavam fazendo o suficiente  para engajar os funcionários. Reuniões em excesso também são um motivo para isso, de acordo com essa parcela dos executivos.

Panorama

Quase 95% dos participantes da pesquisa disseram que os trabalhadores remotos teriam menos oportunidades de engajamento da empresa. Como resultado da pandemia, 34% das empresas do setor privado aumentaram a flexibilidade e 60% dizem que esperam tornar as mudanças permanentes mesmo com o fim da pandemia, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Bureau of Labor Statistics em 2021. 

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mais de 95% dos executivos que responderam à pesquisa Vyopta disseram que os funcionários que trabalham remotamente estão em desvantagem, porque têm menos oportunidades para interagir com os colegas de trabalho. A pesquisa surge no momento em que as empresas estudam como atrair e manter a força de trabalho após meses de desistência recorde conhecida como a “Grande Demissão”.

Com as taxas de desemprego em níveis quase históricos em muitos estados, as empresas estão lutando para reter os trabalhadores. O número de funcionários que deixaram seus empregos atingiu um recorde histórico em novembro de 2021 em 4,5 milhões, e permaneceu alto nos meses seguintes, com mais de 4 milhões de trabalhadores se demitindo, em média, nos últimos seis meses, de acordo com os dados mais recentes do Bureau of Labor Statistics.

Compartilhe esta publicação: