C-Suite: nova gerente comercial de TI da Adecco quer abrir caminho para mulheres em sua área

Karla Bittencourt iniciou a carreira na área de comércio internacional. Ela atua com tecnologia há 10 anos

Martina Colafemina
Compartilhe esta publicação:

A nova gerente comercial de tecnologia da Adecco, Karla Bittencourt, terá o desafio de agilizar processos para as contratações da área

Acessibilidade


Karla Bittencourt, a nova gerente comercial para aquisição de talentos em tecnologia da Adecco chega à empresa com a missão de ampliar a atuação com empresas desse mercado. Bittencourt se formou em comércio exterior e relações internacionais na Austrália e migrou para o setor de recrutamento e consultorias na América Latina no início de 2010.

Nesta semana, o C-Suite traz também movimentações nas áreas de beleza, saúde, música e mais. Mariana Stanisci é a nova diretora de marketing e comunicação da Fundação Osesp. Flávia Rosário é a nova CMO da fintech Cora. Michael Wilkens é o novo CFO da Team Viewer.

 

Forbes: Você começou a carreira com comércio internacional e depois foi para a tecnologia. Como foi esse caminho?

Karla Bittencourt:  Estudou comércio exterior na Austrália, que é diferente daqui do Brasil. Aqui lidamos mais com embaixadas e relações políticas entre países. O comércio exterior lida mais com a questão de mandar o produto para fora. Voltei de lá com essa qualificação. A tecnologia hoje é bastante ampla e nela temos a área comercial. Comecei como consultora de TI e continuei nesse caminho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

 

F: A área de tecnologia é conhecida pela predominância masculina. Quais os principais desafios que você enfrentou nessa área?

KB:  Uma mulher nesse cargo enfrenta alguns tabus, como a gente sabe. Precisei ter muito bem estabelecida a minha postura profissional desde sempre para que eu pudesse atuar profissionalmente. Acredito que temos uma postura que é uma linguagem global a seguir, o profissionalismo. Quando colocamos isso em questão, os seus resultados não podem ser questionados. As pessoas podem não gostar de você por ser mulher, digamos, mas seus resultados não podem ser colocados em cheque. Tive um desafio que acho interessante colocar aqui. Um cliente do exterior que tinha um projeto aqui no Brasil se recusou a falar comigo em uma reunião. O meu colega,  em inglês, dizia que eu era responsável pelo Brasil e ele continuava olhando para o meu colega e falando. Aquilo me marcou bastante porque eu pensei se aquilo estava acontecendo porque eu era mulher, porque ele estava duvidando da minha capacidade ou do meu conhecimento. Qual seria a questão?  Mas ele acabou falando comigo em outro momento.

 

F: Você já esteve em diversas posições de liderança. O que elas te ensinaram?

KB: Lidar com pessoas é um grande desafio, em geral, e a gente precisa ser flexível para que possa se encaixar onde são colocados os desafios. Eu tive muitos desafios em várias áreas. Tive que ser bastante dinâmica. Fui colocada em posições diferentes e isso me testou bastante. Tudo isso me trouxe um entendimento e um conhecimento na abordagem. Hoje eu abordo o cliente de forma diferente, mais assertiva dentro do que ele precisa.

 

F: Quais serão seus principais desafios quanto ao recrutamento em tecnologia?

KB: Desburocratizar o nosso processo. Uma grande multinacional dificilmente não seria burocrática. Hoje os projetos de tecnologia precisam de pessoas para ontem e a gente tem que fazer tudo isso acontecer em um passe de mágica, mas a gente sabe que é um grande desafio atender o cliente, atender a empresa que trabalhamos e todo o nosso sistema, além de ter bons candidatos no processo, afinal, nosso serviço é conectar pessoas. Hoje nós temos grandes consultorias só direcionadas para a tecnologia no mercado de contratação de executivos. Ao mesmo tempo, temos que ter esse trabalho consultivo de ajudar o cliente a entender o mercado e rapidamente se adaptar para que não fique com uma vaga de tecnologia por muito tempo aberta e não consiga suprir aquilo. 

  • A Team Viewer, fornecedora global de soluções de conectividade remota e digitalização de ambientes de trabalho, anuncia que a partir de 1 de setembro de 2022, o executivo Michael Wilkens se tornará CFO e membro do Conselho de Administração

  • A multinacional austríaca Fronius, de soluções para o mercado fotovoltaico, anunciou Alexandre Silva Rezende como novo gerente de vendas. Ele chega com o desafio de assegurar que as metas e objetivos estratégicos definidos pela matriz austríaca sejam alcançados na subsidiária brasileira.

  • A brasileira Ana Flávia Carvalho é a nova diretora de políticas públicas e relações governamentais da MSD na América Latina. Nessa função, ela desenvolverá estratégias e apoio aos mercados na execução de políticas públicas de vacinação para proteger, manter e crescer programas nacionais de imunização, fortalecendo os ecossistemas vacinais em cada país

  • A Cora, fintech especializada em pequenas e médias empresas anunciou a contratação da executiva Flávia Rosário para dirigir a área de marketing. A empresa está em fase de investimento para expandir sua atuação no país.

  • A seguradora Clear promoveu Roberto Indech como VP de relações institucionais. O executivo, que ocupava o cargo de estrategista-chefe e realizava análises macroeconômicas e de Bolsa de Valores, passa a ser o responsável por liderar a empresa nas frentes de inovação e desenvolvimento de novos produtos e serviços voltados para os segmentos de renda variável e do trader.

  • O Grupo Reckitt anunciou a chegada de Rafael Apostólico como head de e-commerce da Reckitt Health & Nutrition Comercial. Com quase 10 anos na empresa, Rafael desembarcou no Brasil depois de 2 anos na Reckitt de Singapura, onde ocupava o cargo de gerente regional de e-commerce para o sudeste asiático

  • Reinaldo Canato

    Mariana Stanisci é a nova diretora de marketing e comunicação da Fundação Osesp, organização social responsável pela gestão da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e todos os seus corpos artísticos e programas educacionais, da Sala São Paulo e do Festival de Campos do Jordão. Stanisci começou sua carreira na Reckitt Benckiser, onde evoluiu na área de marketing entre Brasil e Itália, cuidando também de marcas para toda a América Latina. Posteriormente, foi diretora de marketing para a Heineken do Brasil. Na Luxottica, foi diretora de marketing para o Brasil e responsável por todo o portfólio de luxo para as Américas.

  • Clara Miloski

    O grupo Natura &Co na América Latina anunciou a executiva Paula Pimenta como gerente geral da The Body Shop no Brasil. Ela será responsável por toda a estratégia e gestão da marca no país. Até então, Paula Pimenta era diretora de customer care para Natura &Co América Latina, abrangendo as quatro marcas do grupo na região: Avon, Natura, The Body Shop e Aesop.

  • A Kenzie Academy Brasil, escola de formação de desenvolvedores, anunciou a chegada de Silmara Souza como CMO. A executiva será responsável por liderar os times de marketing e aquisições.

A Team Viewer, fornecedora global de soluções de conectividade remota e digitalização de ambientes de trabalho, anuncia que a partir de 1 de setembro de 2022, o executivo Michael Wilkens se tornará CFO e membro do Conselho de Administração

Compartilhe esta publicação: