Criadores do Porto Digital apoiam reinvenção do ecossistema de inovação em Manaus

Divulgação
O hotel Cassina, no centro histórico manauara, será o epicentro do novo distrito de startups

Alguns dos principais atores do ecossistema de inovação recifense Porto Digital se uniram a protagonistas locais para impulsionar o que será um centro de empreendedorismo tecnológico de Manaus.

Resultado de esforços da comunidade de inovação manauara que se intensificaram nos últimos dois anos, a Associação do Polo Digital de Manaus (APDM) foi criada no dia 6 de fevereiro, com cinco membros fundadores.

O grupo inicial de apoiadores é composto do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (CESAR), que é uma das organizações âncora do Porto Digital; a Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex); o Sidia Instituto de Ciência e Tecnologia; o Instituto de Pesquisas Eldorado; e o coworking ValleyUp.

O intuito do projeto é reduzir a dependência do setor da indústria e fomentar a economia local com novos negócios, além de criar uma estrutura de governança e incentivos para impulsionar o crescimento e relevância nacional da economia digital da região amazônica.

“Hoje a economia da cidade e da região gira em torno da Zona Franca de Manaus, mas isso tem um prazo de validade e é importante que outras matrizes econômicas sejam desenvolvidas”, diz Vânia Capela, presidente da APDM e diretora de negócios do Instituto Sidia. “Além disso, como a tecnologia atravessa todos os setores relevantes para a economia da região, é extremamente importante que esse ecossistema seja estabelecido.”

Segundo Vânia, a expectativa é que todos os institutos públicos e privados de pesquisa da região, bem como universidades e startups se juntem à associação: “A ideia é que todos trabalhem juntos para o desenvolvimento do ecossistema, de forma colaborativa.”

A associação terá 19 conselheiros do setor privado, academia e governo. A exemplo do que ocorre no Porto Digital, a participação do setor público é minoritária na associação manauara e cinco cadeiras serão reservadas para o governo. Os convites serão enviados aos novos conselheiros nesta semana.

A definição do planejamento estratégico e das entregas para os próximos meses estão entre as prioridades atuais da APDM. Um projeto importante é a terceira edição da Feira do Polo Digital de Manaus, conferência de empreendedorismo e inovação onde as competências da cidade que reuniu mais de 20 mil pessoas em três dias de conferência no ano passado. O evento deve ocorrer no quatro trimestre de 2020.

DNA RECIFENSE

A conexão do Porto Digital com o novo momento do ecossistema manauara se deu pelo reconhecimento dos resultados obtidos no desenvolvimento de negócios de base tecnológica em Recife, aliado ao impacto social positivo na comunidade local.

“O Porto Digital serviu de inspiração para nós, por ser um projeto que conseguiu estruturar o ecossistema e ao mesmo tempo, revitalizar o centro histórico do Recife Antigo”, diz Vânia. “Em Manaus, também temos um patrimônio histórico muito rico, mas que foi se perdendo ao longo dos anos.”

Para endereçar os aspectos de revitalização do centro histórico no contexto da criação do distrito de inovação tecnológica, a prefeitura de Manaus contratou Cláudio Marinho, um dos criadores e conselheiros do Porto Digital, como consultor do projeto.

A agenda da APDM deve convergir com a implantação e governança do distrito, que terá o Hotel Cassina, construído no século 19, como seu epicentro. A prefeitura está investindo R$ 12,9 milhões na restauração e mobiliário do casarão que abrigará os diversos atores do ecossistema e a própria APDM, e a obra deve ser concluída em setembro de 2020. Outros prédios históricos no entorno do Cassina, além de uma segunda área, em torno do Teatro Amazonas, também estão sendo considerados como potenciais áreas a serem ocupadas por negócios ligados à inovação.

Uma das principais características do Porto Digital, que também estará presente em Manaus, é o que Marinho chama de “walkability”, ou seja, poder caminhar facilmente de um ponto a outro dentro da área onde o ecossistema está situado. A ideia é facilitar a mobilidade e, consequentemente, o bem estar de quem trabalha no distrito e, claro, os negócios.

Falando sobre a delimitação da área do pólo digital, Marinho explica que o raio máximo a partir de um ponto principal (no caso de Manaus, o Hotel Cassina ou o Teatro Amazonas) precisa ser de, no máximo, 350 metros. “[A facilidade de se deslocar a pé] é o que permite os encontros fortuitos que geram e redefinem negócios”, ressalta.

Segundo Fred Arruda, CEO do CESAR, a intenção é que a experiência do Porto Digital atue como um agente protagonista no desenvolvimento do ecossistema de inovação manauara: “Trazemos o DNA de Recife para o projeto de Manaus, mas sempre respeitando a agenda e cultura locais”.

A equipe de Manaus do CESAR é predominantemente local e atualmente tem 30 pessoas. A intenção é expandir o time para 100 colaboradores nos próximos quatro anos. Outro objetivo é aumentar a oferta educacional do CESAR em Manaus, que inclui cursos como o primeiro mestrado em engenharia de software do Brasil.

“Queremos alavancar o empreendedorismo local, promover a formação de doutores e mestres na região amazônica e fazer com que grandes empresas nacionais olhem para Manaus como um pólo fornecedor de soluções de tecnologia”, ressalta.

***
Reprodução
Embrapii cria tecnologia de IA para manutenção veicular no PE

A Empresa Nacional de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e a empresa pernambucana Wings criaram uma tecnologia baseada em inteligência artificial (IA) que monitora as condições de funcionamento do veículo e pode ser usada por motoristas e concessionárias. O dispositivo conectado coleta informações como quilometragem, códigos de falha, status de peças e até emite alertas de colisão em tempo real através de um aplicativo.

A plataforma [email protected] – Vehicle Artificial Intelligence já está em uso no Brasil e, segundo a Embrapii, tem potencial de comercialização internacional. O sistema foi desenvolvido no Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (CESAR), que é credenciado como unidade da Embrapii para Internet das Coisas (IoT) desde 2016.

LEIA MAIS: Embrapii faz chamada para novas unidades e revela próximos passos

***
Creditas fecha com Totvs para oferecer crédito consignado privado

Uma das novidades anunciadas no Investor Day da Totvs hoje é uma parceria com a Creditas. As empresas vão trabalhar juntas para oferecer o produto de empréstimo consignado privado da fintech aos mais de 10 milhões de colaboradores das empresas que utilizam os sistemas de folha de pagamentos da Totvs.

Através de um chatbot, colaboradores poderão solicitar até R$ 50 mil em crédito e também ter acesso à Creditas Store, loja online que atualmente oferece os smartphones da Apple parcelados em até 24 vezes.

A Totvs tem o foco em tecnologia financeira como um dos pilares de sua estratégia – e parcerias, bem como fusões e aquisições, são blocos fundamentais deste plano. Em maio do ano passado, a companhia captou cerca de R$ 1 bilhão na bolsa e em outubro, comprou a Supplier, fintech com expertise na concessão de crédito B2B, por R$ 455,2 milhões. Eduardo Neubern, ex-Cielo, lidera as iniciativas de fintech na Totvs desde março do ano passado.

LEIA MAIS: Creditas estreia loja online com celulares Apple

***
Reprodução

BTG Pactual compra parte de fintech de Bruno Gagliasso

O BTG Pactual comprou uma fatia de 20% da CredPago, fintech que tem entre seus sócios o ator Bruno Gagliasso. A startup oferece uma alternativa digital ao fiador na locação de imóveis, permitindo que o usuário pague a garantia com cartão de crédito.

A CredPago quer aumentar a participação no mercado de locação, que estima ser de 13 milhões de moradias, movimentando até R$ 150 bilhões ao ano. O investimento do novo sócio permitirá um aumento no portfólio de produtos e serviços da startup e o BTG Pactual poderá ampliar sua participação para até 26,25% na startup.

***
Dream2B e Spark Centre aceleram startups no Canadá

Startups brasileiras de inteligência artificial (IA) são o foco do próximo batch do Dream2B Global Acceleration Program. A iniciativa, conduzida pela venture builder Dream2B em parceria com a incubadora Spark Centre, vai acelerar até cinco startups em fase de crescimento por três semanas em Toronto, no Canadá.

O programa dará preferência à empresas que buscam atuação global nos segmentos de lawtech, retailtech, cleantech, healthtech, cidades inteligentes, mobilidade urbana, agrotech, customer experience, construtech, educação e indústria 4.0. Após o retorno, as selecionadas terão mentoria e acompanhamento das organizadoras do programa. Entre as startups que já passaram pelo programa está a Synkar, que criou o veículo autônomo Ada, utilizado pelo iFood para entregas. As inscrições estarão abertas até 3 de março.

***
CI&T prepara showcase de transformação digital no SXSW

A multinacional brasileira especializada em transformação digital CI&T estará no festival de economia criativa, cultura, marketing e tecnologia SXSW em Austin, nos Estados Unidos. No dia 16 de março, Bruno Guicardi, cofundador e presidente da companhia, e Bob Wollheim, chief strategy officer da CI&T, falarão sobre os cases de inovação que trabalharam com clientes como General Motors, AB Inbev e Mercedes-Benz, além de outros temas como ruptura de estruturas organizacionais tradicionais com inovação.

****
Distrito investe em três fintechs

Através de seu braço de venture capital, a rede de centros de inovação Distrito investiu R$ 3 milhões em três startups focadas em serviços financeiros. Uma delas é a Atta, plataforma de crédito imobiliário, seguros e garantia locatícia para corretores de imóveis e incorporadoras. As outras fintechs investidas são a BLU365, de recuperação de crédito, e a SuperSim, de microcrédito voltada a pessoas físicas. Além do Distrito Ventures, outros investidores estratégicos e fundos locais e estrangeiros também participaram do aporte – totalizando um montante de mais de R$ 12 milhões nas três empresas. O fundo de VC da Distrito já tem 21 startups em seu portfolio, incluindo uma quase unicórnio, a Neon Pagamentos.

Angelica Mari é jornalista especializada em inovação há 18 anos, com uma década de experiência em redações no Reino Unido e Estados Unidos. Colabora em inglês e português para publicações incluindo a FORBES (Estados Unidos e Brasil), BBC, The Guardian e outros.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).