Como a mudança no pagamento dos transportes pode desafogar as grandes cidades

Divulgação
Divulgação

Pagamento por aproximação com cartão equipado com a tecnologia NFC

São inúmeras as tendências capazes de gerar mudanças estruturais profundas no cenário global de pagamentos. A ampliação dos meios de transporte e sua integração é uma delas, já que o sistema público brasileiro gera 50 milhões de transações de pagamento por dia, de acordo com um relatório de 2017 da Accenture. É uma oportunidade e tanto – principalmente para aqueles que saírem na frente e criarem uma solução aceita diretamente nos veículos, eliminando filas e burocracia e reduzindo os custos operacionais.

E é exatamente nisso que a Visa está trabalhando. Em abril do ano passado, a operadora de meios de pagamento implementou seu primeiro projeto escalável no mundo. O escolhido foi o metrô carioca, responsável pelo transporte de 900 mil passageiros por dia. No total, 331 catracas foram habilitadas com a solução de pagamento por aproximação do cartão de crédito, celular, pulseira e relógio com a tecnologia NFC (Near Field Communication) em 41 estações, onde o passageiro só precisa aproximar o plástico ou o dispositivo móvel para efetuar o pagamento, que é debitado diretamente na fatura, no final do dia, sem taxas ou cobranças adicionais.

Nos três primeiros meses, dados da VisaNet indicaram que o número de transações por aproximação cresceu 58% de um mês para outro. A estação Carioca, campeã de uso, registrou 26 mil transações do tipo no período. Em seguida, vieram as estações Botafogo, Jardim Oceânico, Uruguaiana e Cinelândia. Nessa primeira fase, somente os cartões Visa estavam habilitados para a operação (inclusive nas carteiras digitais Apple Pay e Samsung Pay). O próximo passo é incluir cartões de débito e habilitar outras bandeiras.

“Nosso objetivo é facilitar a vida dos usuários. Queremos oferecer conveniência e praticidade. A aceitação de pagamento por aproximação é mais um passo fundamental nessa direção, pois elimina filas e torna a viagem mais rápida e simples. Acreditamos que a mobilidade urbana deve ser cada vez mais integrada e de fácil utilização”, disse, na época da implementação, o presidente do MetrôRio, Guilherme Ramalho.

Em setembro de 2019, foi a vez da SPTrans. A gestora do sistema de transporte público de ônibus na capital paulista e a Visa desenvolveram um projeto piloto – com duração inicial prevista de três meses – e implementaram a solução em 200 veículos de 12 linhas da cidade, com possibilidade de pagamento, inclusive, com cartões de débito e bandeira Mastercard. O período de experiência acabou, mas a funcionalidade continua, e o sistema ainda ganhou a inclusão do Expresso Tiradentes – corredor de ônibus que liga o centro da cidade à zona leste e sudeste – no final de dezembro. “Neste momento estamos discutindo a expansão para outras linhas e modais”, diz Marcelo Sarralha, diretor executivo de soluções da Visa do Brasil. O executivo, no entanto, não se arrisca a falar em prazos, já que a negociação depende de uma série de definições dos operadores de transporte e de aspectos contratuais. “A tecnologia, no entanto, está totalmente disponível”, diz.

Divulgação
Divulgação

Marcelo Sarralha, diretor executivo de soluções da Visa do Brasil

CAIXINHA PRETA

O grande desafio para implementação dessa solução em escala era habilitar a aceitação dos cartões bancários e outros dispositivos nos equipamentos já instalados – ou seja, sem a necessidade de trocar as catracas de cada um dos veículos ou das estações, o que provavelmente acabaria se tornando economicamente inviável. “Criamos então o que chamamos de ‘caixinha preta’, um módulo que é inserido no interior do parque tecnológico existente, fazendo uma espécie de up grade”, explica Sarralha. A tecnologia foi batizada de Visa Secure Access Module (SAM).

Tudo isso faz parte do programa Transportation Center of Excellence, criado em 2018 pela Visa para proporcionar uma experiência melhor aos usuários, estejam eles viajando de ônibus, metrô, trem, avião ou carro. “Os consumidores de hoje querem simplesmente chegar ao seu próximo destino com rapidez e facilidade – não importa se estão indo trabalhar ou saindo de férias. Infelizmente, atividades como comprar bilhetes, pagar o estacionamento ou abastecer o carro são quase sempre inconvenientes, envolvendo longas filas, máquinas de venda de bilhetes complicadas e sistemas de transporte público ultrapassados”, diz Bill Gajda, vice-presidente sênior de inovação e parcerias estratégicas da companhia.

A implantação do time brasileiro da Visa no metrô do Rio – feita em parceria com Planeta Informática, Ingenico Group, Digicon e a Cielo como adquirente – no entanto, chamou a atenção da companhia em nível global ao ser apresentada, no ano passado, durante um evento em Barcelona. Agora, a empresa se prepara para operações em larga escala em outros países. Por aqui, Sarralha adianta que mantém negociações com mais de 10 municípios para adoção do sistema inclusive em outros meios de transporte e estacionamentos, e que já pensa até em vending machines.

Segundo ele, uma grande oportunidade está no sistema de pedágio. “Além de facilitar a vida do usuário, uma operação que integre cartões e dispositivos por aproximação pode diminuir, e muito, os custos operacionais da transação. Atualmente, metade do volume pago nos pedágios do Brasil é em espécie. Isso tem um alto custo de logística e segurança”, explica o executivo brasileiro.

INTELIGÊNCIA DE DADOS

Reduzir as filas e os custos operacionais e facilitar a vida dos usuários são os benefícios imediatos de uma solução como essa. O country manager da Visa no Brasil, Fernando Teles, aposta no transporte como um disseminador da tecnologia de pagamento por aproximação. “Para se ter uma ideia, 94% das pessoas que usam a solução no transporte público do Rio, seguem usando como hábito em outras operações”, conta. São Paulo, segundo dados da Visa Consulting & Analytics, é a cidade com maior uso da solução em todo o país, com um crescimento de 600% na comparação 2018/2019. Os segmentos com maior número de transações por aproximação na cidade são restaurantes, padarias e supermercados, o que indica que o consumidor utiliza a tecnologia em compras recorrentes.

“O impacto do pagamento por aproximação vai além do transporte público. Temos testemunhado mudanças no comportamento dos consumidores e dos estabelecimentos comerciais no mundo todo assim que lançamos essas soluções, como o aumento do uso do pagamento eletrônico em detrimento do dinheiro em papel, que leva segurança, agilidade e uma melhor experiência de compra e venda para as cidades”, diz o executivo.

Sarralha vai ainda mais longe e explica que, com a capacidade de coleta de dados do sistema, faz sentido pensar na solução como uma importante aliada para a mobilidade urbana como um todo. “Com informações sobre os trajetos – como os horários de pico e destinos – fica mais simples implementar tarifas flexíveis com o objetivo de distribuir melhor o uso da malha de transporte ao longo do dia”, exemplifica. Em resumo, se bem trabalhados, esses dados podem, num futuro próximo, desafogar as grandes cidades, mudando toda a sua dinâmica.

****
Luciana Prezia

Movile abre inscrições para primeiro hackathon com foco em negros

O Grupo Movile abriu as inscrições para seu primeiro MovileHack Afro, hackathon com foco em pessoas negras, iniciativa focada em trazer maior diversidade para as empresas do grupo, além de promover a aproximação e capacitação para as comunidades de tecnologia. Com duração de 30 horas, o evento, que será nos dias 7 e 8 de março em São Paulo, vai estimular os participantes a propor soluções para o seguinte problema: “Como educar jovens em situação de vulnerabilidade usando tecnologia?”. São 50 vagas. As três melhores equipes serão premiadas com dinheiro. Aquela que conquistar o 1º lugar vai ganhar também uma mentoria com Nina Silva (foto), sócia fundadora do Movimento Black Money e eleita uma das Mulheres Mais Poderosas do Mundo pela FORBES em 2019.

LEIA MAIS: Nina Silva: “Times complexos requerem cada vez mais diversidade”

****
Zinkevych/Getty Images
Belcorp adota plataforma de IA da LLamasoft para supply chain

Especializada em soluções corporativas para a tomada de decisões estratégicas, a LLamasoft acaba de anunciar uma nova plataforma de inteligência artificial para supply chain. Batizada de llama.ai, a solução, com entrega por meio de SaaS (software como serviço), combina know-how em operações com machine learning, otimização e simulação de algoritmos para geração de insights, desenvolvimento de previsões e fornecimento de respostas inteligentes. Segundo a companhia, a ferramenta combina três capacidades: Digital Twin (representação digital de toda a cadeia de suprimentos para explorar opções, acessar riscos e avaliar trade-offs), biblioteca de algoritmos (para proporcionar novas formas de responder às complexas perguntas) e App Studio (aplicativos personalizados que permitem aos usuários do negócio alavancar os algoritmos avançados, analisar questões específicas do negócio, visualizar novos insights de dados e acessar previsões e as ações recomendadas).

Algumas companhias fora do Brasil são “early adopters” da solução, entre elas a Belcorp. A empresa peruana de cosméticos utiliza a plataforma para gerenciar sua rede global de fornecedores e uma rede de distribuição de mais de 1 milhão de consultoras de beleza. “Temos conseguido tomar decisões mais inteligentes e rápidas e otimizar nossos processos da cadeia de suprimentos”, diz Gian Paolo Gandini, corporative sourcing director da Belcorp. “Com a plataforma, criamos um ‘digital twin’ de toda a cadeia, o que nos permite testar repetidamente diversos cenários e estarmos preparados para qualquer situação. Já constatamos melhorias significativas no supply chain.”

****

Divulgação
Divulgação

Jorge Almeida Guimarães, diretor-presidente da Embrapii

EMBRAPII recebe propostas de projetos para a indústria

A EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) e a Rede Cornet (Collective Research Network) estão recebendo propostas de Projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) de startups, pequenas e médias empresas brasileiras que possam ser realizados em parceria com a indústria dos países membros da rede.

Os interessados têm até 25 de março para montar consórcios com pelo menos três empresas e submeter uma proposta. Não há restrição de área de conhecimento e todos os setores industriais podem apresentar projetos – desde que as associações de cada um deles esteja envolvida. Empresas de grande porte podem também participar, mas sempre em consórcios com pequenas e médias empresas e startups.

No modelo de cooperação internacional, cada país financia suas respectivas empresas e instituições de pesquisa. As brasileiras devem estar associadas à rede credenciada de 42 Unidades EMBRAPII para o desenvolvimento da iniciativa. Os projetos financiados pela Cornet têm valor médio de R$ 600 mil. A Rede mantém parceria com 11 países parceiros pelo mundo. Além do Brasil, estão conectados Alemanha, Áustria, Bélgica, Canadá, Polônia, Japão, Holanda, Suíça, República Checa e Peru.

LEIA MAIS: Embrapii faz chamada para novas unidades e revela próximos passos

****
 Bambu Productions/Getty Images

Gympass chega a Itaberaí com impacto em quase metade da população

A Gympass acaba de fechar uma parceria com o grupo São Salvador Alimentos (SSA), holding detentora das marcas Boua e Super Frango, que vai impactar cerca de 50% da população de Itaberaí, no interior de Goiás. A SSA possui cerca de 6.000 colaboradores que, junto com seus familiares, somam um contingente de 20.800 pessoas – ou 46% dos 45.000 habitantes da cidade. Com o serviço de assinatura mensal, elas poderão usar a plataforma para selecionar as modalidades e os locais mais convenientes para incluir a atividade física em suas rotinas. De acordo com um recente estudo da Deloitte, as empresas conseguem reduzir em 32% a inatividade dos funcionários com a oferta de um programa de bem-estar, além de melhorar em 25% a retenção de talentos.

LEIA MAIS: Exclusivo: Gympass quer funcionalismo público para crescer no Brasil

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).