IBM encerra área de reconhecimento facial e pede reforma da polícia

 Brian Ach/Getty Images
Brian Ach/Getty Images

Arvind Krishna, presidente da IBM: “Não vamos toler uso de nenhuma tecnologia para vigilância em massa, elaboração de perfis raciais, violações dos direitos humanos e liberdades básicas”

A IBM anunciou em uma carta ao Congresso dos Estados Unidos que não oferecerá mais seu software de reconhecimento facial e defendeu novos esforços para busca de justiça e equidade racial, disse o novo presidente-executivo da companhia, Arvind Krishna.

A empresa deixará de oferecer software de reconhecimento facial e se opõe a qualquer uso dessa tecnologia para fins de vigilância em massa e perfil racial, disse Krishna, que também defendeu novas regras federais para responsabilizar a polícia por má conduta.

LEIA MAIS: Facebook chega a acordo de US$550 mi em processo sobre reconhecimento facial

A IBM não explicou o momento de sua decisão de abandonar o desenvolvimento da tecnologia de reconhecimento facial, mas Krishna disse aos parlamentares “que agora é o momento de iniciar um diálogo nacional sobre se e como a tecnologia de reconhecimento facial deve ser empregada pelas agências domésticas de aplicação da lei”.

O anúncio ocorre enquanto os Estados Unidos enfrentam protestos após o assassinato de George Floyd e crescentes pedidos de uma reforma policial.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

“A IBM se opõe firmemente e não tolerará o uso de nenhuma tecnologia, incluindo a tecnologia de reconhecimento facial oferecida por outros fornecedores, para vigilância em massa, elaboração de perfis raciais, violações dos direitos humanos e liberdades básicas”, escreveu Krishna. Ele acrescentou que “a tecnologia pode aumentar a transparência e ajudar a polícia proteger as comunidades, mas não deve promover discriminação ou injustiça racial”.

A CNBC informou que os negócios de reconhecimento facial da IBM não geravam receita significativa. Uma pessoa familiarizada com o assunto disse à Reuters que as decisões sobre produtos de reconhecimento facial foram tomadas ao longo de um período de meses. A empresa deixará de comercializar, vender ou atualizar os produtos, mas apoiará os clientes conforme necessário, acrescentou a fonte. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).