Pesquisa do Google revela mudança de hábitos dos consumidores durante a pandemia

Divulgação
Divulgação

André Barrence, diretor do Google for Startups Brasil: “É essencial que as startups continuem focando na melhor experiência do usuário”

Uma pesquisa do Google for Startups Brasil sobre as mudanças de hábitos dos consumidores brasileiros desde o início da pandemia da Covid-19 revelou um aumento do interesse da população brasileira por três tipos de serviços: essenciais, onde estão incluídos os deliveries, suporte financeiro e aqueles que facilitam na adaptação à nova rotina em casa.

O levantamento, que levou em consideração os resultados do Google Trends, fez uma análise comparativa da média de crescimento dos últimos seis ou 12 meses versus março e abril de 2020. “As buscas demonstram como as pessoas estão se adaptando para viver o novo normal, mas não podem ser encaradas como uma previsão e consolidação de tendências pós pandemia. É essencial que as startups continuem focando na melhor experiência do usuário e aproveitem as tendências de consumo para se posicionarem como Top of Mind nas soluções digitais para seus consumidores”, alerta André Barrence, diretor do Google for Startups Brasil.

LEIA MAIS: Casa inteligente: 5 grandes tendências de tecnologia doméstica da próxima década

No que diz respeito às compras online, o estudo do Google revelou que as buscas relacionadas a alimentos e bebidas cresceram de 30% a 45%, enquanto o termo “restaurante delivery” mostrou um incremento de 72% e a procura por móveis para trabalhar em casa aumentou mais de 90% no período. No caso das buscas por segmento, a comparação foi feita entre março e abril com os últimos 12 meses. No caso das empresas, houve um recorte menor, de seis meses, para refletir uma realidade mais próxima da que elas estão vivendo agora.

Entre as startups de entregas – de comida ou não –, as mais procuradas registraram crescimentos expressivos. O iFood, o aplicativo mais buscado, mostrou aumento de 55% nas buscas. Na sequência, estão Rappi (aumento de 99%), Loggi (94%), LivUp (73%), Empório da Cerveja (77%), Zé Delivery (aumento de 10 vezes na procura) e Melhor Envio (204%).

O levantamento constatou, ainda, um aumento de 47% nas buscas por startups focadas em varejos e marketplaces de diferentes nichos. No caso de móveis, por exemplo, houve um incremento de 70% nas buscas pela MadeiraMadeira e de 52% pela Mobly. No segmento de beleza, a Beleza na Web registrou 50% mais buscas e a Glambox 68%. Já a PetLove, especializada em produtos para animais de estimação, teve 47% mais buscas, enquanto a Olist, markeplace curitibano de produtos variados, 94%.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

No quesito adaptação à nova rotina, o levantamento indicou um aumento de 46% nas buscas relacionadas a softwares de educação. As plataformas que mostraram maior relevância nas pesquisas do gigante de busca foram Hotmart (que registrou um incremento de 322%), Passei Direto (16%), Stoodi (230%), Sanar (103%), AgendaEdu (266%) e ClipEscola (598%).

Por fim, a análise revelou um aumento na procura por produtos e serviços financeiros. No caso do termo conta digital, por exemplo, o aumento foi de 10 vezes incentivado pelo suporte do governo às pessoas em situação de vulnerabilidade. Também aumentaram as buscas por internet banking (130%), empréstimo consignado (10 vezes), poupança (75%), empréstimo consignado INSS (400%), transferência de dinheiro e serviços (105%). As fintechs mais buscadas foram PicPay (aumento de 555% no período), Husky (57%), Olivia (87%), Creditas (41%) e Acordocerto (284%).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).