Salto em inovação na AL, Bvlgari, C&A , iFood & Muito Mais

TENDÊNCIAS GLOBAIS

Gartner prevê alta em gastos com tecnologia em 2021

Gastos com tecnologia da informação em todo o mundo devem aumentar em 2021 em relação a este ano, com uma média de investimento prevista de US$ 3,8 trilhões em comparação aos US$ 3,6 trilhões em 2020, segundo a empresa de pesquisas Gartner.

Software deve ser o segmento que terá a recuperação mais forte em 2021, diz o estudo. Isso se deve à aceleração dos esforços de digitalização por empresas que oferecem suporte a uma força de trabalho remota, entrega de serviços virtuais e aproveitamento da automação para garantir que demandas apresentadas pela pandemia sejam atendidas.

Gastos com sistemas de datacenter terão o segundo maior crescimento em 2021, de acordo com o Gartner. Isso envolve um movimento em que as organizações digitais expandem com uso global de tecnologia através de adoção massiva de computação em nuvem, e organizações ditas tradicionais retomam os planos de expansão de seus datacenters e começam um movimento de retomada ao escritório, de forma híbrida.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

Gastos com nuvem corporativa, que se enquadra em vários segmentos, não serão refletidos na receita dos fornecedores até 2021, apesar do aumento da atividade em termos de adoção à nuvem em 2020, com organizações procurando facilitar suas operações remotas.

Segundo John-David Lovelock, vice-presidente de pesquisa do Gartner, a empresa nunca viu tamanha volatilidade no mercado de tecnologia da informação nos 25 anos em que acompanha este setor. “Embora pressões únicas tenham sido impostas a todos os setores à medida que a pandemia em andamento se desdobra, as organizações que já eram mais digitais ao entrar na crise estão se saindo melhor e continuarão a prosperar até 2021″, ressalta.

****
TENDÊNCIAS REGIONAIS

Estudo da Visa revela salto de inovação na América Latina e no Caribe

A Visa publicou a segunda edição de seu estudo sobre inovação, o “Innovation Rising in Latin America: Lessons from Innovative Leaders Across the Region”, relatório que detalha os progressos, os indicadores, as tendências e os padrões das empresas mais inovadoras da América Latina e do Caribe. Lançado 16 meses após o primeiro relatório da companhia sobre inovação, “State of Innovation”, publicado em março de 2019, o novo estudo revela um aumento de 24% no número de empresas nas fases avançada e madura/inovadora nata e que a pandemia de Covid-19 ajudou a impulsionar a tendência na região.

O Brasil aparece como líder absoluto, reunindo 43% das empresas mais inovadoras. Porém, a região tem outros fortes exemplos, incluindo mercados menores como Costa Rica e Uruguai. O estudo rastreou e avaliou mais de 100 empresas destes mercados com base em cinco pilares: apoio interno à inovação, colaboração externa, execução, uso de tecnologia e impacto e escala.

“Nossos estudos com as empresas mais inovadoras deixam evidente que estamos entrando em uma nova era, onde os limites entre as empresas ficam indistintos: para avançarem, as empresas precisam ser mais do que instituições – elas precisam ser plataformas. Pagamentos totalmente integrados, instantâneos e interoperáveis estão se tornando realidade na região e o comércio acontece em todo e qualquer lugar”, diz Vanesa Meyer, head de inovação e design da Visa América Latina.

Outros dados revelados pelo levantamento incluem a revelação de que 60% das pesquisadas têm uma equipe exclusiva de inovação; as grandes inovadoras têm uma média de 89 APIs externas ou abertas; 77% das empresas mais inovadoras usam biometria; e um incremento de 44% no número de empresas que estão usando inteligência artificial desde o estudo anterior.

****
TENDÊNCIAS NACIONAIS

Descentralização e transformação pautam estudo sobre inovação em energia

A transformação e a descentralização na capacidade de desenvolvimento de soluções, bem como na produção e consumo de energia , estão entre os temas identificados em um estudo da aceleradora de startups Liga Ventures sobre inovação no setor. O relatório mapeou mais de 189 startups brasileiras que estão entregando soluções para a área de energia, e consultou especialistas e pesquisadores para entender os movimentos atuais do setor em um contexto de digitalização.

No contexto do debate sobre energia limpa e busca pela diminuição do uso de combustíveis fósseis, o estudo afirma que o mercado livre tem sido um vetor relevante para a expansão do uso de energias renováveis. Além disso, o estudo nota que as expectativas para o mercado livre de energia no Brasil gerarão um fluxo contínuo de expansão, bem como novas oportunidades de negócio, mediante a abertura futura desse mercado. A pesquisa cita dados da consultoria ePowerBay, de que o total de 10,8 gigawatts em capacidade de outorgas emitidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 2019, 82,8% foram para projetos de energia limpa que serão negociados no Ambiente de Contratação Livre.

O estudo nota que, ao mesmo tempo em que o ambiente industrial já se encontra neste mercado livre de energia, a maior parte dos consumidores ainda dependem da estrutura tradicional do mercado incumbente. Neste contexto, a pesquisa nota que startups cumprem o papel de explorar as oportunidades com o avanço do ambiente livre de contratação e criar soluções que favoreçam um uso mais sustentável da energia elétrica. Segundo Raphael Augusto, diretor de inteligência e estudos de mercado da Liga Ventures, existe uma mudança em curso no setor: “No Brasil, ainda que não [tenhamos] uma liberdade de escolha mais ampla neste mercado, já temos um ambiente empreendedor com startups bem interessantes focadas no setor”, enfatiza.

Brasil possui 283 startups do setor de logística

As startups do setor de logística, chamadas de logtechs, já são 283 no Brasil. Destas, 50% foram fundadas entre 2015 e 2020. O setor, que nos últimos anos encontrou oportunidades para inovar e se desenvolver, segue em expansão mesmo durante este período de crise na saúde pública e adversidade econômica. Somente nos primeiros nove meses deste ano, a área atraiu US$ 187,6 milhões em aportes. Os dados são do Distrito LogTech Report, levantamento realizado pelo Distrito, empresa de inovação aberta que atua junto a startups.

O levantamento dividiu as logtechs em cinco áreas de atuação: gestão logística (43,6%), que apresenta soluções eficientes na gestão do processo logístico, com uso de analytics, Internet das Coisas e inteligência artificial; entrega (19,4%), de serviços para entrega mais eficaz ao consumidor final, explorando diversos modais; logística reversa (12%), serviços que intermediam a volta de um produto para a cadeia de suprimentos; estoque (11,3%), empresas que utilizam tecnologia em armazéns, centros de distribuição, fluxo de estoque e atividades como tráfego de carregamento e descarregamento; e marketplace de frente (11%), soluções que atuam como intermediárias entre fornecedores e transportadores para entrega de cargas fracionadas, permitindo análise comparativa e cotação de frete.

****
INVESTIMENTOS

Startups brasileiras de turismo atraem investimento, mas bootstrapping prevalece

O primeiro desafio de inovação voltado ao segmento de turismo revelou dados sobre a natureza dos recursos de empresas atuantes no segmento. A ação, realizada em parceria com o Ministério do Turismo e a Organização Mundial do Turismo, órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) teve 790 inscrições recebidas de 25 estados da federação. A partir destas inscrições, o hub global de inovação em turismo Wakalua fez um estudo, obtido com exclusividade pelo Forbes Insider, que sugere que apenas seis startups receberam investimentos série A, um total equivalente a mais de US$ 26 milhões. Segundo a pesquisa, no entanto, os recursos para a maioria (82%) é o desenvolvimento via bootstrapping, ou seja, com recursos próprios dos empreendedores. Cerca de 13% das startups focadas em turismo receberam recursos via investimento angel e pré-capital semente (seed), ao passo que 3% receberam aportes seed A, e 1% tiveram investimentos seed B.

Divulgação

Startup de perfumes capta R$ 1 milhão

Menos de um ano após o lançamento, a Amyi, startup brasileira de perfumaria, acaba de receber uma rodada de investimento anjo no valor de R$ 1 milhão. A empresa vai usar os recursos para expandir seu portfólio, promover avanços na jornada sensorial e educativa online, incrementar o time e conduzir ações de growth hacking, proporcionando maior visibilidade e conhecimento da marca entre os consumidores. O investimento foi liderado pelo GVAngels, grupo de investidores-anjo formado por ex-alunos da Fundação Getulio Vargas (FGV).  Além dos recursos financeiros, as empresas investidas recebem acesso ao smart money de executivos C-Level e empreendedores que compõem o grupo. A Wishe, grupo de investimento focado em startups inovadoras lideradas por mulheres, completou o aporte. A Amyi disse, ainda, que está se preparando para que a próxima captação, seed capital, aconteça no primeiro semestre de 2022.

LEIA MAIS: Startup de perfumes cria experiência olfativa para o consumidor brasileiro

Divulgação

edrone recebe aporte de US$ 5,3 milhões

A edrone, empresa de tecnologia com sede na Polônia, acaba de anunciar um investimento de US$ 5,3 milhões para alimentar suas ambições de construir uma plataforma one-stop-shop para e-commerce. O capital será investido em P&D e no desenvolvimento de novos negócios nas regiões CEE (Europa Central e do Leste) e LATAM (América Latina). É o primeiro aporte que a empresa recebe após bootstrapping por quatro anos. A solução é voltada para empresas de e-commerce de pequeno, médio e grande porte que desejam entender o comportamento de seus clientes e engajá-los com o produto certo, no lugar certo e na hora certa. Os principais recursos incluem automação de marketing, on-site marketing, recomendação de produtos baseada em IA, soluções de atendimento ao cliente e CRM dedicado para e-commerce. O objetivo com a construção de um one-stop-shop para lojas online é permitir que elas usem a tecnologia como uma grande vantagem competitiva. O investimento da Série A, de US$ 2,5 milhões, vem da PortfoLion, uma VC do grupo OTP. Poucas semanas atrás, a edrone levantou US$ 2,8 milhões para o financiamento do projeto de P&D de seu assistente virtual autônomo.

LEIA MAIS: Amazon anuncia drone interno e dispositivo de segurança para carros

****
O QUE MAIS ESTÁ ACONTECENDO NO ECOSSISTEMA

PwC Brasil firma parceria com AgTech Garage

A PwC Brasil anunciou uma parceria com o AgTech Garage, hub de inovação do agronegócio sediado no Parque Tecnológico de Piracicaba (SP) que reúne mais de 500 startups em sua comunidade virtual e em torno de 40 empresas parceiras. O objetivo é desenvolver soluções tecnológicas que aumentem a sustentabilidade e a competitividade do agronegócio brasileiro. A PwC Brasil vai contribuir com conteúdos e estudos globais relacionados à inovação do setor e desenvolvimento de novas soluções junto ao ecossistema. “Essa parceria é, para nós, um movimento estratégico bem-sucedido, uma jornada que iniciamos com a mente aberta e um verdadeiro propósito colaborativo”, afirma Luiz Ponzoni, sócio da PwC Brasil e líder de novos negócios. “O agronegócio é, para a companhia, um segmento estratégico e prioritário. Reconhecemos os projetos e investimentos na área da chamada inovação aberta como uma das mais importantes tendências emergentes”, completa Maurício Moraes, sócio da PwC Brasil e líder de agribusiness.

Projeto de inclusão de meninas em tecnologia no DF celebra 10 anos

O Meninas.comp, projeto que fomenta a inclusão de meninas de escolas públicas do Distrito Federal e do estado de Goiás, celebrou 10 anos ontem (20). A iniciativa, liderada por Maristela Holanda, Aleteia Favacho e Maria Emília, professoras do departamento de computação da Universidade de Brasília, visa a inclusão de gênero e social. A principal atividade da iniciativa é uma oficina motivacional para alunas do ensino médio, que visa divulgar as possibilidades de trabalho na área de computação. O trabalho para incentivar a inclusão de meninas no setor já alcança 12 escolas e, para os próximos anos, tem a meta de aumentar a atuação do projeto na rede pública do DF. “Queremos aumentar a atuação do projeto nas escolas públicas do Distrito Federal e diminuir essa baixa representatividade feminina nos cursos de computação”, diz Maristela. Segundo a professora da UnB, a adesão feminina a estes cursos na universidade ao longo dos últimos anos é de menos de 20% em Engenharia da Computação, Engenharia Mecatrônica, Ciência da Computação e Licenciatura da Computação. Além disso, a iniciativa também quer trabalhar o aspecto de internacionalização, através de parcerias com organizações como a Association for Computing Machinery’s Council on Women in Computing (ACM-W), e a organização social internacional Girls Who Code, que atua em clubes de programação para adolescentes.

Divulgação

Bvlgari lança seu e-commerce no Brasil

A joalheria romana Bvlgari está acelerando sua expansão digital em todo o mundo com plataformas de e-commerce em mais sete países. As novas lojas online em Singapura, Emirados Árabes Unidos, Itália, França, Coreia, México e Brasil foram lançadas em um período de 90 dias. Em um processo longo e desafiador, a jornada da grife de luxo rumo a uma experiência integrada de omnichannel começou no final de 2000, com a primeira e-shop. Desde então, a plataforma foi totalmente redesenhada, o atendimento ao cliente e a logística cresceram em grandes operações de serviço e a Bvlgari conta hoje com canais de e-commerce em oito países: Estados Unidos, Canadá, China, Japão, Reino Unido, Alemanha, Espanha e Austrália. Em todos esses canais é possível fazer o agendamento online, e as peças escolhidas podem ser enviadas para as residências ou retiradas nas boutiques. No Brasil, para marcar o lançamento, a joalheria doará uma porcentagem de suas vendas online de 12 de outubro a 12 de novembro para a AMIGOH, instituição que apoia uma pesquisa clínica sobre a Covid-19.

C&A lança assistente virtual que dá dicas de moda e estilo

A C&A Brasil dá mais um passo para acelerar sua transformação digital e oferecer novas experiências de compra, canais e formas de atendimento às clientes com o lançamento da sua assistente virtual. A partir de agora, a companhia usa a inteligência artificial para recomendar os produtos que são a cara de cada consumidora, trazendo mais informações sobre as preferências e jornada de compra das mulheres brasileiras em seu site e aplicativo. A iniciativa, ainda em fase piloto, está disponível neste momento para produtos do Mindse7, lab de inovação da marca, via chat box, e deve ser expandida para demais categorias e coleções encontradas no site em breve.

Avanade lança estúdio de inovação digital

A Avanade, consultoria de transformação digital especializada nos produtos Microsoft, lançou um estúdio de inovação digital para seus clientes. A consultoria, prestada de forma remota, foca em design thinking e abordagem centrada em experiências, para resolver problemas de negócios usando tecnologia como a solução de nuvem Azure.

Divulgação

Ciência usa big data para reduzir riscos na produção de grãos no Brasil

Pesquisadores latino-americanos utilizaram tecnologias de big data para compreender melhor os efeitos dos eventos climáticos conhecidos como El Niño e La Niña na variabilidade da distribuição das chuvas e a consequente interferência no cultivo de grãos no Brasil. O estudo analisou e cruzou dados de 50 municípios nos estados de Rondônia, Mato Grosso, Goiás e Tocantins, responsáveis por 39% da produção de grãos no país, e produziu um calendário de cultivo. Um dos coordenadores do trabalho, o pesquisador Alexandre Heinemann, da Embrapa Arroz e Feijão (GO), explica que foram levantados dados do Instituto Brasileiro de Meteorologia (Inmet) sobre precipitação diária (de 1980 a 2013) de 50 estações meteorológicas nesses estados. Essas informações foram associadas a outras oriundas da Agência Nacional de Águas do Brasil (ANA) e da Agência de Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (Noaa). “Um dos objetivos é aprimorar os calendários de cultivo já existentes e desenvolver opções estratégicas de gestão do período de semeadura para diminuir riscos de estresses hídricos que acarretem perdas na produção.”

Com Vibra, Grupo Bandeirantes chega ao mercado de e-commerce e lança streaming

A Vibra, fundada como uma startup de inovação do Grupo Bandeirantes de Comunicação, acaba de modernizar o novo portal da companhia, que já está no ar, e agora trabalha na finalização de alguns novos produtos. Entre eles está o marketplace Na Prateleira; o Band Play, um super app onde serão encontrados os conteúdos de todo o grupo; um programa de fidelidade com prêmios a partir da interação dos usuários e uma carteira digital; e hubs de diversos conteúdos, pautados pelo conhecimento que os dados trouxeram da audiência como o site de gastronomia Band Receitas, onde os usuários poderão interagir e cozinhar com a ajuda de um chatbot.

Marcopolo e Moovit iniciam parceria para projeto de ônibus sob demanda

A Marcopolo Next, divisão de novos negócios da Marcopolo, acaba de fechar uma parceria com a israelense Moovit para desenvolver projetos que contribuam para melhorar a mobilidade urbana. Um deles será relacionado ao Transporte Sob Demanda (TOD), no qual os ônibus serão solicitados pelos passageiros por meio de um aplicativo, semelhante ao que ocorre com os de carros. Neste caso, as viagens de ônibus podem ficar mais rápidas e convenientes, já que o motorista segue o app e flexibiliza a rota. Os veículos em operação também podem ser menores que os tradicionais, mais adequados para circularem por ruas alternativas às das linhas convencionais. “Por este sistema, a oferta do transporte coletivo se ajusta à demanda, ao contrário do que ocorre atualmente, em que os passageiros precisam se ajustar à oferta”, diz Petras Amaral Santos, business head da Marcopolo Next. “Para as empresas transportadoras, a grande vantagem está na flexibilidade de ajustar a circulação dos ônibus de acordo com o aumento ou a queda de demanda, evitando que os veículos circulem vazios ou não consigam atender todos os passageiros como, por exemplo, na saída de eventos.”

Divulgação

iFood mapeia hábitos alimentares dos brasileiros durante a pandemia

A plataforma de delivery iFood divulgou ontem (20) dados que revelam como os brasileiros se comportaram entre os meses de março e agosto no que diz respeito à alimentação. Só no app, o volume de pedidos saiu de 26,6 milhões em novembro para 44,6 milhões em agosto. Já o número de restaurantes vinculados à plataforma chegou a 236 mil, contra 131,2 mil no final do ano passado. Os cinco alimentos mais pedidos durante a pandemia foram: hambúrguer, esfiha, carne, sanduíches e wraps e sobremesas. O café da manhã foi o campeão de pedidos, responsável por 145% do total em dias úteis e 232% aos finais de semana, seguindo do almoço, com 47% e 78%, respectivamente. Já entre as categorias com os maiores aumentos estão pães (277%), sobremesas (203%) e peixes e frutos do mar (148%). Entre os clientes que mais consumiram estão um paulista, com 983 pedidos, e um carioca, com 879.

VEJA TAMBÉM: Guerra das marmitas movimenta plataformas de alimentação saudável

Plataforma de inovação aberta Socialab chega ao Brasil

A Socialab, plataforma de inovação aberta fundada no Chile, está oficialmente no Brasil por meio de uma parceria com a Impact Beyond. Presente também no México, Guatemala, Colômbia, Uruguai e Argentina e com mais de 1 milhão de usuários cadastrados, a plataforma usa a inteligência coletiva para detectar soluções para os grandes problemas e desafios das organizações dos mais diferentes portes e segmentos. Reconhecida pelo Fórum Econômico Mundial, a Socialab acumula 217 processos de inovação aberta com 160 clientes, como Redbull Amaphiko, Samsung, Walmart, Unesco, Fresh Water e Chivas Venture.

****
CRESCIMENTO

Startup colombiana cresce 400% no Brasil e América Latina

A startup colombiana Picap, que atua no Brasil há pouco mais de um ano, vem experimentando um crescimento de 400% em suas atividades desde agosto, quando as medidas de reabertura da economia se intensificaram. O crescimento se repete em outros países da América Latina, em especial em seu país de origem, a Colômbia. Criada como um meio de se repensar o transporte de passageiros nos grandes centros urbanos, incluindo a moto como um modal para tornar os deslocamentos mais ágeis e baratos, a Picap – que atua também na Argentina, México e Guatemala – precisou rever sua estratégia de negócios e incluir o serviço entregas em seu cardápio de atividades. “Segundo nosso planejamento, entraríamos no serviço de entregas last mile durante o ano, ainda em modelo de testes. A pandemia faz a gente acelerar esse processo. Tivemos ainda a surpresa de ver o transporte de passageiros voltar a crescer, especialmente em Recife e Fortaleza, com a reabertura de algumas atividades econômicas”, comemora o CEO da Picap, Diogo Travassos.

EBANX anuncia expansão para América Central

O EBANX, fintech especializada em soluções de pagamentos para a América Latina, anunciou o Push LatAm, iniciativa que compreende a expansão de suas operações para novos mercados na América Central e do Sul, a oferta de serviços híbridos em países latino-americanos e o lançamento do EBANX GO, cartão pré-pago em parceria com a Visa, que oferece também uma conta de pagamentos digital, para outros mercados da região além do Brasil – tudo nos próximos 12 meses. A expansão vai começar no Panamá, Costa Rica, República Dominicana e Guatemala. O Paraguai, na América do Sul, também é um destino. Esses cinco novos mercados se somam aos nove onde a empresa já opera – Brasil, México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru, Uruguai, Bolívia e Equador. O Push LatAm também consiste na expansão de modelo. Depois de ter lançado seu processamento de pagamentos local, o EBANX agora vai lançar seu modelo híbrido, tornando as operações mais flexíveis para empresas globais que têm escritórios na região. Ao combinar serviços de processamento cross-border e local dentro do mesmo território, este novo modelo permitirá liquidações locais para merchants, começando por países sul-americanos.

LEIA MAIS: BREAKING: Ebanx lança startup de logística nos Estados Unidos

Entregas da Wessel aumentam 50%

A Wessel, tradicional empresa brasileira de carnes, expandiu sua operação de entrega online ainda no início da pandemia. Além da criação de um e-commerce, a empresa desenvolveu canais de vendas com a consultoria da Go2Go, especializada na gestão de pedidos de bares e restaurantes, e, assim, conseguiu se conectar de forma ágil aos principais marketplaces de venda, como Rappi e iFood, de maneira que os clientes pudessem adquirir peças de carne em menos de 50 minutos. Com essas soluções, registrou um aumento de 50% nas vendas online por mês. “A conveniência é um fator muito importante e continuará sendo mesmo após a pandemia. Neste cenário, a marca tem que, cada vez mais, responder à confiança do consumidor com os produtos vendidos e os serviços postais”, diz István Wessel.

Operação brasileira de e-commerce da PepsiCo cresce no último trimestre

A PepsiCo, uma das maiores empresas de alimentos e bebidas do mundo, intensificou seus investimentos no e-commerce brasileiro logo no início da pandemia, criando uma equipe dedicada e lançando a nova estratégia em menos de um mês. Como resultado, a operação brasileira registrou crescimento de triplo dígito nas vendas pela internet em todas as categorias desde março, fazendo dela a maior em vendas via comércio eletrônico em toda a América Latina. Produtos como salgadinhos, achocolatado e água de coco há muito tempo já tinham presença em sites de e-commerce, porém de forma muito tímida. A grande mudança foram as parcerias que a empresa firmou com grandes players do varejo nacional, como Magazine Luiza e Mercado Livre. Em três meses, o e-commerce evoluiu o que era esperado para cinco anos na PepsiCo. “O distanciamento físico proporcionou uma aproximação digital nunca vista ou imaginada antes. Diante desse novo cenário, intensificamos nossa presença digital e focamos em estratégias que vão ao encontro dos novos hábitos do consumidor”, afirma Lilian Carelli, head de e-commerce da companhia.

****
TECNOLOGIA DO BEM

Liga Nescau ganha edição 100% digital

Com base na estatística de que apenas 28% das crianças praticaram qualquer tipo de atividade física durante o período de quarentena, segundo levantamento do C-Lab, laboratório interno de pesquisas da Nestlé, com mais de 500 famílias do país, a gigante de alimentos decidiu que a 6ª edição da Liga Nescau – maior campeonato juvenil do Brasil – será em ambiente 100% digital. Com mais de 20 modalidades de atividades, todas elas convencionais e adaptadas, e o desafio de impactar 50 mil crianças, a iniciativa conta com uma Vila Olímpica totalmente virtual, que concentra uma série de conteúdos educacionais, como dicas de práticas esportivas, curiosidades, depoimentos de embaixadores da marca, além de permitir navegação em 3D e interatividade. O desenvolvimento da plataforma inclui uma interface adaptada para crianças e adolescentes com necessidades especiais, como conteúdo em libra e áudio descrição. “Transformar a Liga Nescau em um evento digital já era um desejo da marca, mas em 2020, diante de um cenário desafiador, o desejo precisou se transformar em realidade e o grande desafio foi o tempo. Em apenas três meses, a marca, junto com seus parceiros, transformou um evento 100% físico em 100% digital, triplicando seu alcance: de 13 mil para 50 mil crianças por todo o país. E esse é um movimento sem volta para nós, que enxergamos, no ambiente phygital, a possibilidade de ampliar o acesso e explorar novos formatos de conteúdo, além de amplificar cada vezes mais seu alcance e disseminar os valores que o esporte ensina”, diz Abner Bezerra, head de marketing de Nescau e Bebidas Nestlé. As inscrições vão até 25 de novembro.

Divulgação

Onçafari e Legado das Águas anunciam monitoramento de felinos na Mata Atlântica

O Onçafari, criado para estudo e conservação da vida selvagem, e o Legado das Águas, maior reserva privada de Mata Atlântica do país, firmaram parceria para monitoramento e conservação de grandes felinos no bioma atlântico. O projeto, que será desenvolvido nos 31 mil hectares de floresta do Legado das Águas, localizada no Vale do Ribeira, no Estado de São Paulo, visa realizar o levantamento populacional de onças-pardas e pintadas para ações de proteção desses felinos, sendo a última espécie criticamente ameaçada de extinção na Mata Atlântica. A primeira fase consiste na instalação de 20 câmeras de monitoramento, fornecidas pela Log Nature. A iniciativa faz parte do Onçafari Science, braço de ciência do projeto, que tem como objetivos observar o comportamento dos animais, avaliar constantemente seu estado de saúde, e desenvolver pesquisas em ecologia e fisiologia, aumentando o conhecimento científico sobre as espécies para potencializar sua proteção. As câmeras possuem sensor de movimento e modo noturno. Após a coleta dos dados, será possível traçar os rastros dos animais, quais espécies estão presentes e, no caso dos felinos, identificar até mesmo em quais árvores sobem ou arranham para marcar território. O Legado das Águas, gerido pela Reservas Votorantim, é uma referência nacional em gestão de ativos ambientais pelo modelo de negócio que utiliza a floresta em pé como meio de inovação em produtos de ecoturismo, pesquisa científica e desenvolvimento socioeconômico.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).