Ações chinesas de tecnologia despencam após regra de deslistagem de papéis

Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

O Ministério das Relações Exteriores da China disse que a decisão da SEC prejudica a reputação dos mercados de capitais dos EUA

As ações de empresas chinesas com listagem dupla caíram fortemente hoje (25) na Ásia, depois que o regulador de valores mobiliários dos Estados Unidos adotou medidas que expulsariam empresas estrangeiras das Bolsas de Valores norte-americanas se elas não cumprissem padrões norte-americanos de auditoria. O movimento da SEC (Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos) contribui para a repressão regulatória sem precedentes na China sobre as empresas de tecnologia nacionais.

O “Holding Foreign Companies Accountable Act”, sancionado em dezembro pelo ex-presidente Donald Trump, busca deslistar empresas chinesas das Bolsas dos Estados Unidos se elas não seguirem os padrões de auditoria norte-americanos por três anos consecutivos.

LEIA TAMBÉM: Biden tem dificuldades em fortalecer relações entre EUA e China

As regras também exigem que as empresas provem à SEC que não pertencem ou são controladas por alguma entidade de um governo estrangeiro e não nomeiam membros de conselho de administração que sejam funcionários do Partido Comunista Chinês, disse a SEC hoje em um comunicado.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse que a decisão da SEC prejudica a reputação dos mercados de capitais dos Estados Unidos.

“É claramente discriminatório contra as empresas chinesas, é uma repressão política desenfreada das empresas chinesas listadas nos EUA. Isso priva o público e os investidores dos EUA de compartilhar o crescimento das empresas chinesas. Isso prejudicará a posição dos EUA como mercado de capitais”, disse hoje a porta-voz Hua Chunying.

“Exigimos que os EUA a pararem de politizar a regulamentação de segurança, parem com práticas discriminatórias contra as empresas chinesas e proporcionem um ambiente de negócios justo e não discriminatório para todas as empresas listadas nos Estados Unidos.”

A CSRC (Comissão de Valores Mobiliários da China) não respondeu imediatamente a um pedido de comentários da Reuters.

Em Hong Kong, a notícia gerou uma forte venda das empresas chinesas listadas nos Estados Unidos, que também estão listadas na Bolsa de Valores da cidade. As ações da Baidu fecharam em queda de 9,65%, o Alibaba caiu 3,9%, a JD.Com perdeu 3,57% e a Netease recuou 2,25%.

“Muitos investidores pensaram que os EUA e o governo Biden seriam mais amigáveis com a China e as coisas seriam mais fáceis, mas esta notícia mostra que será igualmente difícil”, disse Louis Tse, diretor-gerente da Wealthy Securities. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).