A revolução do mercado financeiro

Grandes empresas têm anunciado a tokenização de seus ativos, uma inovação que amplia as possibilidades para os negócios

BrandVoice BlueBenx
Compartilhe esta publicação:
Foto: : VICTOR AFFARO
Foto: : VICTOR AFFARO

Roberto Cardassi, CEO da BlueBenx

Acessibilidade


Um relatório da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgado em junho aponta que 14,5% dos investidores brasileiros compram criptomoedas. Isso representa cinco vezes mais que os franceses (3%) e nove vezes mais que os ingleses (1,5%). Outra pesquisa, esta da Binance, mostra que 4% da população mundial já utilizou cripto em algum momento.

Dados do Banco Central de 2021 mostram que R$ 300 bilhões foram movimentados em exchanges centralizadas. Em maio de 2022, conforme a Receita Federal, houve recorde de R$ 15,4 bilhões em 2.025 milhões de operações. Na outra ponta estão os investimentos tokenizados, que já chegam a R$ 82 milhões, segundo dados da Anbima.

A tokenização de ativos é resultado da maturidade do ecossistema de inovações e de novas tecnologias. Os tokens estão em todas as áreas e vão além de formas de pagamento. “Muitos empresários começaram a enxergar o valor da tokenização, que, além de muito seguro para transações, é eficiente e vantajoso”, explica Roberto Cardassi, CEO e fundador da BlueBenx, plataforma de serviços multifinanceiros conectada à blockchain.

Mesmo não sendo um mercado tão novo, a ideia de cripto, para muitos, ainda se resume às moedas digitais. Mas existem diversos projetos como tokens não fungíveis (NFTs), finanças descentralizadas (DeFi), Metaversos, Storage, Bridges, GameFi, entre outros.

Empresas e investidores pessoas físicas estão aguardando os impactos da nova regulação para entrarem na criptoeconomia. Além disso, diversos países estão estudando e implantando os CBDCs, as moedas digitais dos bancos centrais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“As criptomoedas vão aparecer no dia a dia naturalmente. Existem mais de 19 mil ativos e mais de 300 empresas do tipo no mundo. É um novo segmento de negócio que quer ser reconhecido e regulamentado”, afirma Cardassi.

A brasileira BlueBenx nasceu em 2018 para aproximar investidores dessas novas formas de investimento. Além do app, que permite a compra de criptoativos, ela faz a gestão dos recursos de seus clientes dentro desse ecossistema. “Somos especialistas em ativos digitais. Muitas vezes, o cliente quer entrar nesse mundo, mas não quer colocar em risco seu patrimônio. Então criamos uma forma de entregar performance por meio de tecnologia e ciência de dados”, explica William Batista, vice-presidente de operações. Com essa proposta, a BlueBenx já conquistou mais de 22 mil clientes, grande parte deles do estrato de alta renda.

*BrandVoice é de responsabilidade exclusiva dos autores e não reflete, necessariamente, a opinião da FORBES Brasil e de seus editores

Compartilhe esta publicação: