Na Meta, Vivi Duarte lidera programa para promoção da diversidade

“Não podemos olhar para diversidade como assistencialismo. As empresas estão percebendo que inclusão é questão de inteligência de mercado".

Fabiana Corrêa
Compartilhe esta publicação:
getty
getty

Aumentar a representatividade racial é uma das tarefas de Viviane na Meta

Acessibilidade


Viviane Duarte chegou com tudo no Facebook (ela entrou em junho, quando a empresa ainda não havia mudando o nome para Meta). A jornalista, consultora e empreendedora social voltou ao mundo corporativo para assumir o cargo de Head of Connection Planning para América Latina da empresa de Mark Zuckerberg e lançou hoje a plataforma Black Track, de promoção de equidade racial, que já nasce tendo Havaianas e Avon como parceiras de negócios. “Não dá pra olhar a promoção da diversidade como assistencialismo, as empresas estão percebendo que inclusão é questão de inteligência de mercado”, diz Viviane. 

O cargo não foi criado para ela, mas parece ter sido. Trazer novas conexões, promover equidade racial dentro das empresas e atuar junto a marcas para transformar o cenário de desigualdade em vários âmbitos tem sido o trabalho de Viviane desde que lançou a consultoria Plano Feminino. Há 12 anos, a empresa nasceu com o objetivo de atuar junto a empresas para combater os vieses machistas na publicidade e a colocar a diversidade na pauta de marcas como Seda, Hershey’s e Heineken. A Black Track engloba programas para impulsionar empreendedoras, capacitar profissionais negros e aumentar a representatividade racial nas campanhas publicitárias usando as ferramentas disponíveis no Facebook. 

Quem é você na fila do pão?

O Plano Feminino, que começa a mudar de foco para dar suporte a empreendedoras, começando com cursos que as coloquem nessa trajetória, também tem a cara de Vivi. A consultoria nasceu quando pouco se falava em representatividade na publicidade e hoje, com o interesse maior do mercado nesse assunto, Vivi percebe que seu plano inicial já foi cumprido. “Eu olho muito para o ciclo do produto e acho que agora está na hora de falar diretamente com o público final, apoiar a mulher a cuidar de sua trajetória profissional mas não deixar de cuidar de si”. 

Foi com essa ideia que a executiva mudou o foco da sua empresa e também seu estilo de vida. Há cinco anos, quando planejou escrever seu livro sobre empreendedorismo feminino, “Quem é Você na Fila do Pão”, lançado em agosto deste ano, começou escrevendo uma linha do tempo de sua vida e percebeu que havia sido “planejada para vencer”. “Desde cedo, olhava o exemplo e o incentivo da minha mãe, que é minha mentora, e que sempre me levou adiante. Acontece que tem uma hora que a gente precisa olhar pra gente, parar, descansar”, diz Vivi. “Foi um privilégio ter essas duas mulheres em casa, minha mãe e minha avó, que me deram uma visão muito clara de como fazer para conquistar esse lugar. Mas, ao mesmo tempo, eu me deixei pra trás em alguns momentos. É muito importante se cuidar e criar uma rede de apoio porque a gente não consegue sozinha”.

LEIA TAMBÉM: 11 dicas de carreira de Lisiane Lemos, nova integrante da equipe de criadores do LinkedIn

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Foi com a ajuda de sua rede de apoio, que começou com a mãe e a avó sacoleiras, que Viviane saiu de um “cortiço” no bairro da Freguesia do Ó, em São Paulo, conseguiu bolsas de estudo, fez faculdade de jornalismo com um bebê no colo (seu filho Paulo, que tem hoje 22 anos, dormia em um colchãozinho na sala de aula), fez carreira na área de marketing, fundou a consultoria para o mercado publicitário e depois a Ong Plano de Menina, que incentiva garotas da periferia a conquistar espaço no mercado de trabalho apoiada por empresas como Unilever, Amaro, Ambev. Hoje, muitas dessas garotas ocupam lugares de destaque nessas organizações e se inspiram no esforço de Viviane e do grupo de mulheres que apoiam suas iniciativas.  “Quando eu conto sobre a minha infância e sobre as minhas condições, que eu não tinha dinheiro pra nada, é meu jeito de dizer pra essas meninas que não vai ser fácil, mas é possível. Doeu muito hackear o sistema, mas estamos aqui.”

 

 

Compartilhe esta publicação: