Para presidente da Dell, falta de mão de obra trava digitalização

Luis Gonçalves, líder da companhia na América Latina, fala também sobre a adoção de tecnologias massivas, 5G e novas demandas no contexto de trabalho híbrido

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Divulgação

Luis Gonçalves, líder da Dell Technologies na América Latina: “Visualizamos uma mudança nas demandas impulsionadas por essa retomada das atividades híbridas e presenciais”.

Acessibilidade


De acordo com a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brascomm), o déficit de profissionais de TI no mercado brasileiro deve chegar a 797 mil até 2025. Um grande desafio ainda vivido pela indústria da tecnologia. Neste contexto, segundo Luis Gonçalves, líder da Dell Technologies na América Latina, a falta de profissionais capacitados ainda é um importante desafio a ser vencido pela indústria na região.

Leia mais: Apple pode anunciar novo produto nas próximas semanas

“Principalmente neste momento em que vivemos uma nova fase de transformação digital acelerada na sociedade que aumenta a demanda por mão de obra qualificada no setor. Se quisermos usar a TI para acelerar a recuperação da economia e para reduzir a exclusão social, é fundamental o investimento na formação e capacitação”, destaca Luis. Na entrevista a seguir, ele fala à Forbes Brasil sobre adoção de tecnologias massivas, 5G e as novas demandas de tecnologia no contexto de trabalho híbrido.

Forbes Brasil – Esse momento de volta ao escritório e, automaticamente de uma demanda nova por equipamentos, reparos e outras assistências demanda um impacto direto nos negócios da Dell. Quais têm sido esses impactos e como essa volta híbrida afetou de alguma forma a oferta de produtos e serviços?
Luis Gonçalves – As previsões são de que a demanda por soluções tecnológicas tende a se manter aquecida nesse momento de retomada das atividades presenciais. No último ano fiscal, tivemos um dos melhores resultados da história da companhia na América Latina, com crescimento de dois dígitos nas principais linhas de negócio e em mercados-chave como o Brasil, onde seguimos como a marca líder nas vendas de computadores, servidores, storage (armazenamento) e sistemas hiperconvergentes. E agora visualizamos uma mudança nas demandas impulsionadas por essa retomada das atividades híbridas e presenciais. Enquanto nos últimos dois anos houve uma explosão nas vendas de computadores e acessórios para suportar o trabalho e atividades remotas, agora vemos um aumento nas iniciativas associadas à modernização e ampliação da infraestrutura de TI (Tecnologia da Informação) para suportar o aumento exponencial dos dados, fomentado por essa sociedade e economia cada vez mais conectadas. Nesse momento, os governos e as empresas de todos os portes e perfis precisam construir as ‘rodovias’ que vão permitir trafegar, processar, armazenar e tirar inteligência desses dados, de forma cada vez mais eficiente e segura.

Leia mais: Gestão voltada ao ESG não se sustenta sem dados, diz CEO da SAP no Brasil

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

FB – O quanto a companhia se adaptou no período de pandemia e, a partir deste contexto de quase volta à normalidade, quais passarão a ser as demandas dos clientes?
Luis Gonçalves – Na pandemia, a TI foi considerada um serviço essencial para a sociedade. Quanto às oportunidades futuras, enxergamos que a chegada do 5G no Brasil e na América Latina deve acelerar ainda mais o processo de transformação digital da economia e da sociedade. Alinhado a isso, a Dell Technologies acredita que quatro grandes tendências em TI devem ganhar força neste ano para suportar essa maior conectividade gerada por uma internet de altíssima velocidade: edge computing (computação de borda), mobilidade privada, gerenciamento de dados e segurança da informação. Para além de 2022, prevemos também o surgimento de aplicações inovadoras na área de computação quântica, uma revolução na indústria automobilística – motivada pelo uso intensivo de dados e sistemas computacionais –, e uma maior interação entre homem e máquina, criando o que chamamos de gêmeos digitais. Nos próximos anos, a tecnologia deve revolucionar a forma como vivemos, trabalhamos, nos relacionamos e aprendemos. E 2022 tende a ser um ano decisivo na história, com a aceleração de inovações e adoção massiva de tecnologias.

Getty Images

Computação quântica é uma das tecnologias na agenda de inovações da Dell

FB – Outro ponto importante da indústria é o déficit de profissionais de tecnologia, sabemos que a Dell possui um esforço em vários sentidos neste tema, mas para os profissionais que estão lendo essa entrevista o que há de oportunidades e desafios?
Luis Gonçalves – A falta de profissionais capacitados representa um importante problema a ser vencido pelo setor de TI no Brasil e na América Latina, principalmente nesse momento de transformação digital acelerada da sociedade e na qual aumenta a demanda por mão de obra qualificada no setor. Se quisermos usar a TI para acelerar a recuperação da economia e para reduzir a exclusão social, é fundamental o investimento na formação e capacitação. A Brascomm estima que o déficit de profissionais de TI no mercado deve chegar a 797 mil até 2025. No caso específico da Dell Technologies, temos investido de forma consistente em uma série de ações, em parceria com universidades, para formação de profissionais em áreas-chave como Big Data e Analytics, a partir dos Centros de Pesquisa e Desenvolvimento – três deles localizados no Brasil. Outro pilar estratégico para formação de profissionais é o Digital Labs, inaugurado no Brasil em 2019, em Eldorado do Sul (RS) e voltado ao desenvolvimento de projetos específicos para transformação digital. A partir desse centro, não só capacitamos profissionais para apoiar o desenvolvimento interno de soluções como preparamos mão de obra qualificada para clientes e parceiros. Eu diria que para quem quer entrar ou se especializar na área de TI, as principais oportunidades estão associadas às áreas de análise de dados. Para isso, é importante não só a formação adequada, mas também entender tendências que possam abrir novas possibilidades de carreira e emprego, que devem surgir a partir do uso intensivo de dados e todas as inovações tecnológicas provenientes dessa tendência.

FB – Falamos também da transformação das funções, fruto, sobretudo de novas tecnologias e dinâmicas de trabalho, de que maneira isso está afetando as posições da indústria e também no caso da Dell como vocês enxergam este contexto?
Luis Gonçalves –Já há alguns anos defendemos que a transformação na força de trabalho representa um dos importantes pilares para essa transformação digital da sociedade. Mas isso depende de investimentos em TI para garantir a produtividade dos colaboradores e ao mesmo tempo para assegurar que os dados das organizações estejam disponíveis para acesso seguro a qualquer hora e local. O que passa pela modernização da infraestrutura e pelo fornecimento dos equipamentos adequados para os colaboradores, combinando mobilidade, conectividade e segurança. Por outro lado, um modelo de trabalho híbrido requer uma atenção ainda maior à cultura organizacional, com um novo olhar sobre os papéis dos gestores e a construção de relacionamentos profissionais pautados pela autonomia e pela ética.

Leia mais: CEO do Itaú Unibanco lidera iniciativa inédita de inovação

FB – A crise de insumos, dentre elas a de semicondutores, afetou o volume e a dinâmica da Dell? Como você identifica o impacto para a América Latina e quais as perspectivas?
Luis Gonçalves – Sabemos que as cadeias globais de distribuição e de suprimentos passam por um momento desafiador, tanto do ponto de vista da oferta de componentes eletrônicos e semicondutores como também de custos logísticos. E não temos uma previsão de melhora desse cenário no curto prazo. Entretanto, na Dell Technologies temos conseguido reduzir os impactos negativos desse cenário, graças a três principais fatores: o relacionamento de longo prazo com a cadeia de fornecedores; um modelo de atuação muito próximo dos clientes e que nos permite ter uma previsão da demanda com antecedência; e pelo uso intensivo de tecnologias que nos permitem ajustar a operação de forma mais rápida e eficiente. Vale destacar que, mesmo com todos os desafios, no último ano fiscal conseguimos entregar números recordes. E isso só foi possível com a construção de uma cadeia de suprimentos extremamente robusta e integrada. No Brasil, por exemplo, temos uma fábrica própria desde 1999 e que produz mais de 90% de todas as soluções da marca comercializadas no país e que hoje representa uma das mais modernas manufaturas da marca no mundo.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: