Preços em alta estimulam aumento global das safras agrícolas

Karl Plume/Reuters
Karl Plume/Reuters

A produção mundial de grãos em 2020/21 foi de 2,200 bilhões de toneladas

O IGC (Conselho Internacional de Grãos, na sigla em inglês) aumentou hoje (27) a previsão para a produção global de grãos na temporada de 2021/22, com os altos preços estimulando mais plantios.

Na sua atualização mensal, o órgão intergovernamental viu o total de produção de grãos no recorde de 2,292 bilhões de toneladas, alta de 5 milhões de toneladas da projeção anterior.

LEIA TAMBÉM: Conselho Internacional de Grão reduz projeção para safra global de milho 2021/22

Os preços dos grãos avançaram intensamente este ano, com os futuros do milho negociados em Chicago subindo para uma máxima de oito anos neste mês.

A produção mundial de grãos em 2020/21 foi de 2,200 bilhões de toneladas.

“Com a expectativa de que os altos preços devem estimular maiores semeaduras, o resultado mundial (de grãos) em 2021/22 deve expandir em 6% ano a ano, para um novo pico”, afirmou o IGC.

A revisão de alta aconteceu, em partes, pela melhoria dos resultados das safras na Índia (158,1 milhões de toneladas ante a 155,9 milhões de toneladas vistos anteriormente) e na Austrália (39,7 milhões ante a 38,4 milhões de toneladas).

A IGC elevou a sua previsão para produção global de milho em dois milhões de toneladas para 1,194 bilhão de toneladas, bem acima da sessão anterior de 1,134 bilhão, enquanto a produção de trigo se manteve em 790 milhões de toneladas, uma alta de 774 milhões em 2020/21. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).