Enquanto a COP26 discute as mudanças climáticas, as exportações de carne bovina dos EUA disparam

País é o maior consumidor global e segundo maior exportador, atrás apenas do Brasil, com demanda garantida em mercados como Coréia do Sul, China, Japão, Hong Kong e Taiwan.

Ken Roberts
Compartilhe esta publicação:
Oscar Wong/Gettyimages
Oscar Wong/Gettyimages

Estados Unidos estão entre os maiores produtores, consumidores e exportadores de carne bovina

Acessibilidade


Enquanto 20.000 a 25.000 líderes mundiais e outros interessados ​​nas mudanças climáticas desembarcam em Glasgow, Escócia, durante a 26ª “Conferência das Partes”, evento anual das Nações Unidas – COP26 – a pegada de carbono dos alimentos servidos será, literalmente, a dos menus servidos.

Isso porque os Estados Unidos estão a caminho de exportar mais carne do que nunca, de acordo com análises a partir de dados do governo. O valor das atuais exportações norte-americanas aumentou mais de 70% desde 2016, ano em que o Acordo do Clima de Paris surgiu da COP21. Isso é mais de três vezes a taxa de todas as exportações dos EUA, que avançaram 19,14% nesse período.

ASSISTA AO VÍDEO E LEIA: Como o boi pode ser o caminho para produzir biofertilizantes e até energia elétrica

Um dos truísmos da globalização é que milhões e milhões de pessoas em todo o mundo agora podem pagar muitas coisas que antes não podiam. Mais e mais, dos 7 bilhões de pessoas no mundo, podem pagar pelo ar-condicionado. E carros. E viagens de avião, inclusive para conferências anuais, como o evento de duas semanas em Glasgow.

A lista inclui coisas ainda mais simples, coisas mais vitais. Água potável, melhores sapatos e outras roupas e cuidados de saúde, incluindo vacinas. Cada vez mais pessoas em todo o mundo podem agora ter uma dieta rica em proteínas. Isso, é claro, pode significar mais carne para essa população.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com o autoritarismo longe de ser vencido em todo o mundo, a tênue conexão entre liberdade política e liberdade econômica não pode e não deve ser negligenciada. Mas enquanto carros, aviões e ar-condicionado contribuem para o aquecimento global, o gado é responsável por até 14,5% de todas as emissões de gases de efeito estufa. Acontece que todo aquele pastoreio realizado na grama faz as vacas arrotarem bastante, liberando gás metano na atmosfera.

Larry-MayerGettyimages
Larry-MayerGettyimages

Quase toda a carne produzida nos Estados Unidos tem origem no gado confinado

Enquanto as montadoras e consumidores mundiais estão se voltando rapidamente para os veículos elétricos, o que terá um profundo impacto no comércio norte-americano, especialmente entre os Estados Unidos e o México, e enquanto na indústria de roupas há um esforço nascente para reaproveitar as vestimentas, está menos claro quais mudanças são esperadas ou prováveis ​​na indústria pecuária global.

Quando todas as forças são combinadas, as temperaturas globais estão subindo e os incidentes climáticos severos estão se acelerando, proliferando e se tornando mais caros e mortais.

Portanto, este ano, os cardápios da COP26 permitirão aos armados de garfos, facas e da melhor das intenções, saber o impacto do que comem. Mas muito pouca ou nenhuma dessa carne virá dos Estados Unidos, no entanto, uma vez que mais de 85% dos alimentos no encontro de Glasgow, incluindo frutas, vegetais e grãos, serão de origem local. É uma tentativa de não apenas falar o que falar, mas fazer o mesmo.

Em geral, de fato, o Reino Unido não é um cliente particularmente grande da indústria de carne bovina dos EUA. O sétimo parceiro comercial dos EUA no ranking geral, ocupa o 46º lugar em exportações de carne bovina congelada e 48º em carne bovina fresca ou resfriada. Com isso, é claro que tem fácil acesso à carne bovina da União Europeia.

No entanto, os Estados Unidos são o maior produtor mundial de carne bovina e perdem apenas para o Brasil como exportador. (Nós, americanos, comemos mais.) Com as exportações de carne bovina dos EUA provavelmente chegando a US$ 8,7 bilhões este ano, muitos países estão recebendo o produtor – quase metade das nações do mundo, na verdade.

As exportações de carne bovina fresca ou resfriada chegaram a US$ 3 bilhões pela primeira vez até agosto, de acordo com os dados mais recentes disponíveis do US. Census Bureau. As exportações de carne bovina congelada chegaram a US$ 2,8 bilhões, um aumento de 72,45% em valor em relação a 2016. O aumento nas exportações de carne bovina in natura desde 2016 é semelhante, indo a 78,76%.

Portanto, embora a indústria de carne bovina dos EUA e a agricultura norte-americana em geral sejam tão eficientes e produtivas como qualquer outra no mundo, nosso tamanho está tornando nossa indústria de carne um alvo. O que quase certamente fará pouco para reduzir a divisão política.

Os mais preocupados com as mudanças climáticas geralmente são dos estados costeiros, onde a elevação do mar é uma ameaça imediata. Grande parte dessa carne bovina vem dos chamados “estados vermelhos”, estados no meio dos Estados Unidos, aqueles que tendem a votar nos republicanos. Kansas, Nebraska, Texas e Iowa respondem por pouco menos de dois terços de todas as exportações de carne bovina in natura neste ano. Adicione o “estado roxo” do Colorado e você chegará aos 80%.

Na carne congelada, Texas, Nebraska, Kansas e Utah respondem por um pouco menos da metade de todas as exportações em valor, cerca de dois terços quando se adiciona os estados roxos do Colorado e da Flórida.

LEIA TAMBÉM: Conheça 14 executivos brasileiros que foram à COP26 buscar parcerias e compartilhar experiências

Uma pergunta justa é: quão justo é pedir às pessoas em outras partes do mundo que renunciem à carne que os americanos desfrutam há décadas? Embora muitos, inclusive eu, gostem de enquadrar a globalização como uma força que ajuda a tirar milhões da pobreza abjeta em um ritmo mais rápido do que em qualquer outro momento da história humana, isso ajuda todos os tipos de pessoas.

Embora alguns dos países onde as exportações de carne bovina congelada dos EUA tenham crescido mais rapidamente, países como Iraque, Etiópia, Malta, Ucrânia, Tunísia, Guiana, Honduras, Costa Rica, Equador, Indonésia e Malásia, eles não são os grandes compradores.

Mais de 80% das exportações de carne bovina congelada dos EUA vão para apenas cinco países: Coréia do Sul, China, Japão, Hong Kong e Taiwan. A China é a coisa mais próxima de uma nação em desenvolvimento nesse grupo e esse é um caso cada vez mais difícil de argumentar quando se fala sobre a segunda maior economia do mundo.

Com a carne bovina in natura ou resfriada, os Estados Unidos enviam mais de 85% de suas exportações para Japão, Coréia do Sul, México, Canadá e Taiwan. Novamente, apenas cinco países e não os mais pobres do mundo.

Enquanto os delegados em Glasgow para a COP26 assumem a responsabilidade e a melhor das intenções, a comunidade de comércio internacional do mundo terá que esperar e ver como continuar a promover o bem-estar das pessoas, ao mesmo tempo em que diminui a maré crescente da mudança climática.

Ken Roberts é colaborador da Forbes EUA e fundador da WorldCity, que publica os anuários TradeNumbers. Também integra o conselho consultivo de comércio e transporte do Federal Reserve.

Compartilhe esta publicação: