Bagaço de cana vai ajudar Brasil no maior avanço em cogeração de energia desde 2015

O setor brasileiro de cogeração de energia deve superar em 2022 a marca de 20 GW (gigawatts) de capacidade instalada operacional, o maior crescimento anual desde 2015.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Usina de açúcar em Sertãozinho, no interior de São Paulo

Acessibilidade


O setor brasileiro de cogeração de energia deve superar em 2022 a marca de 20 GW (gigawatts) de capacidade instalada operacional, registrando o maior crescimento anual desde 2015, segundo levantamento divulgado hoje (15) pela Cogen (Associação da Indústria de Cogeração de Energia).

A previsão é que 22 plantas entrem em operação neste ano, somando 807 MW (megawatts), à medida que o país também busca diversificar sua matriz com a contratação de projetos pelo mercado regulado.

Essa potência seria adicionada aos atuais 19,7 GW, equivalentes a 10,8% matriz elétrica brasileira.

Nos últimos cinco anos, o segmento cresceu 350 MW por ano, em média — o último salto foi em 2015, quando superou 1 GW. Até 2026, a expectativa é de que mais 2,35 GW entrem em atividade, segundo a Cogen.

O bagaço de canade-açúcar é o principal insumo das usinas de cogeração, representando 60,6% do total, seguido pelo licor negro (16,3%), subproduto do tratamento químico da indústria de papel e celulose.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O licor negro ultrapassou o gás natural (16%) como a segunda maior fonte de produção de energia da cogeração neste ano, com a entrada em operação de uma nova planta da Klabin no Paraná.

Em nota, o presidente da Cogen, Newton Duarte, disse que a cogeração de energia é uma fonte competitiva e renovável e poderia ser melhor reconhecida no planejamento energético do país.

“Estamos trabalhando em tratativas com os órgãos competentes para que as distribuidoras de energia possam realizar chamadas públicas e contratar até 10% de sua carga de energia a partir da cogeração”, afirmou.

Leonardo Caio Filho, diretor da entidade, afirmou que a cogeração a biomassa teve papel importante para a segurança energética no ano passado, ajudando a poupar os reservatórios das hidrelétricas durante a crise hídrica.

“E um dos principais atributos da cogeração é justamente o fato de que o período de maior produção das usinas de açúcar e etanol ocorre na safra entre os meses de abril e novembro, exatamente no período seco”, acrescentou Filho.

VEJA TAMBÉM: Biomassa das usinas de cana pode gerar mais energia e amenizar efeitos da crise hídrica

Compartilhe esta publicação: