Brasil já vendeu 46% da safra de soja 2021/22 e 5% do novo ciclo

O índice para 2021/22 é inferior ao recorde de 62,6% registrado no mesmo período do ano anterior para a safra passada.

Reuters
Compartilhe esta publicação:

Os sojicultores brasileiros negociaram 58,76 milhões de toneladas de soja 

Acessibilidade


A comercialização da soja brasileira avançou até o dia quatro de março para 46% da produção esperada para a temporada 2021/22, fluxo que está abaixo do registrado em anos anteriores, disse hoje (14) a consultoria Datagro, enquanto as vendas antecipadas para a próxima safra, de 2022/23, chegaram a 4,9%.

Segundo o levantamento, o índice para 2021/22 é inferior ao recorde de 62,6% registrado no mesmo período do ano anterior para a safra passada e está abaixo da média histórica para esta época, de 50,4%.

Ainda assim, a consultoria disse que os negócios andaram melhor em fevereiro do que em janeiro.

“Houve incremento de 6,9 pontos percentuais, bem acima do mês anterior, quando registrou avanço de 1,1 ponto percentual, ficando em linha com o padrão normal de avanço para o período –7,3%”, disse a Datagro em nota.

De acordo com o coordenador de Grãos da Datagro, Flávio Roberto de França Junior, o movimento foi favorecido pela nova alta generalizada dos preços no último mês.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Considerando a atual previsão de produção da consultoria para a safra 2021/22, de 127,87 milhões de toneladas, os sojicultores brasileiros negociaram 58,76 milhões de toneladas.

“Em igual período do ano passado, esse volume de produção negociado estava muito maior tanto em termos relativos quanto em termos absolutos, chegando a 86,27 milhões de toneladas.”

Para a próxima temporada, que será plantada a partir de setembro deste ano, as vendas antecipadas chegaram a 4,9% da produção estimada da oleaginosa, avanço de 1,1 ponto percentual na comparação com a análise anterior.

Segundo a Datagro, esse fluxo também está aquém dos 5,2% da média dos últimos cinco anos e fica abaixo do recorde de 11% ocorrido em igual momento de 2021, referente a vendas de 2021/22.

“Essa postura conservadora tem muito a ver com a insegurança dos produtores sobre o nível tecnológico que será possível adotar nesta próxima safra por conta das restrições no mercado de fertilizantes devido ao conflito entre Rússia e Ucrânia“, disse França Junior.

VEJA TAMBÉM: Brasil tem maior quebra da história na safra de soja

Milho

As vendas do milho da safra de verão 2021/22 no centro-sul do Brasil chegaram a 20,4% da produção esperada, contra 12,7% no levantamento anterior.

Um ano antes, as vendas antecipadas estavam em 32,5% e a média histórica para o período é de 23,7%, mostraram os dados.

Ainda de acordo com a Datagro, até o dia quatro de março, 33,1% da segunda safra de milho de 2022 estava negociada pelos produtores do centro-sul, ante 28,5% no mês passado. A média histórica para o período é de 31,7%.

Compartilhe esta publicação: