Recorde nas vendas de milho e soja dos EUA para próximo ano sinaliza demanda firme

Ambas as culturas impulsionaram igualmente esse aumento e estão em ritmos recordes.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Eduard Korniyenko/Reuters
Eduard Korniyenko/Reuters

Até 21 de abril, os exportadores dos EUA haviam vendido 14,95 milhões de toneladas (560 milhões de bushels) de milho e soja para embarque na temporada 2022-23

Acessibilidade


Os preços do milho e da soja estão perto de máximas, mas os Estados Unidos venderam volumes recordes de seus cultivos básicos para exportação do próximo ciclo, potencialmente indicando que a demanda continuará forte em 2023.

Essa tendência também provavelmente reflete as preocupações dos principais compradores, como a China, de que a oferta global pode continuar apertada por pelo menos mais um ano. Isso pode manter as exportações dos EUA elevadas pelo terceiro ano consecutivo, dadas as safras de verão (do Hemisfério Norte) bem-sucedidas.

Até 21 de abril, os exportadores dos EUA haviam vendido 14,95 milhões de toneladas (560 milhões de bushels) de milho e soja para embarque na temporada 2022-23, que começa a partir de  de setembro. Isso significa um avanço de 63% contra o ano anterior, quando os volumes atingiram máximas de vários anos.

Ambas as culturas impulsionaram igualmente esse aumento e estão em ritmos recordes de forma independente.

As vendas de milho da nova safra atingiram 4,2 milhões de toneladas, aumento de 61% no comparativo anual, e as de soja subiram 64%, a 10,7 milhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A China assumiu o posto de principal comprador de milho dos EUA em 2020-21, mas o cliente líder tradicional, o México, está no topo da lista para as encomendas do ciclo atual e da próxima temporada, com 1,72 milhão de toneladas adquiridas para 2022-23.

A China comprou 1,56 milhão até 21 de abril.

Não está claro se a China pretende continuar sendo um dos principais importadores globais de milho desde o aumento das compras em 2020, embora seu recente interesse nos EUA possa indicar ansiedade sobre os próximos suprimentos da Ucrânia, fornecedor tradicional da China.

Também houve incerteza sobre a força da demanda de soja da China, já que o caro farelo de soja teve a demanda para rações reduzida, mas os 7 milhões de toneladas da oleaginosa dos EUA  nas encomendas fixadas para o próximo ano são recordes e bem acima de qualquer coisa vista nos últimos anos.

Karen Braun é analista de mercado da Reuters. As opiniões expressas acima são de responsabilidade dela.

Compartilhe esta publicação: