Preços de alimentos caem em abril após máxima em março

O valor teve uma média de 158,5 pontos no mês passado.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Fabrizio Bensch
Fabrizio Bensch

O índice de preços de alimentos da FAO teve uma média de 158,5 pontos no mês passado

Acessibilidade


Os preços mundiais dos alimentos caíram ligeiramente em abril, após atingirem um recorde em março, mas a segurança alimentar global continua sendo uma preocupação devido às difíceis condições do mercado, disse a agência de alimentos da ONU hoje (6).

O índice de preços de alimentos da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), que acompanha as commodities alimentares mais comercializadas globalmente, teve uma média de 158,5 pontos no mês passado, contra 159,7 revisados ​​para cima em março.

Leia mais: Forbes vai reunir lideranças do agro em evento exclusivo em São Paulo

O valor de março havia sido anteriormente calculado em 159,3.

“A pequena queda no índice é um alívio bem-vindo, principalmente para países de baixa renda com déficit alimentar, mas ainda assim os preços dos alimentos permanecem próximos de suas máximas recentes, refletindo o aperto persistente do mercado e representando um desafio para a segurança alimentar global para os mais vulneráveis”, disse o economista-chefe da FAO, Maximo Torero Cullen.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Embora tenha caído mês a mês, o índice de abril foi 29,8% maior do que no ano anterior, impulsionado em parte por preocupações com o impacto da invasão russa à Ucrânia.

O índice de preços de cereais da agência caiu 0,7% em abril, após um salto de 17% em março. Enquanto os preços do milho caíram 3,0%, os preços do trigo subiram 0,2%. A FAO disse que o trigo foi atingido pelo bloqueio de portos na Ucrânia e preocupações com as condições da safra nos Estados Unidos, mas essas preocupações foram parcialmente compensadas por embarques maiores da Índia e exportações acima do esperado da Rússia.

O índice de preços de óleos vegetais da FAO caiu 5,7% em abril, com o racionamento da demanda derrubando os preços dos óleos de palma, girassol e soja.

Os preços do açúcar aumentaram 3,3%, o índice de preços de carnes subiu 2,2% e o de lácteos, 0,9%.

Em estimativas separadas de oferta e demanda de cereais hoje (6), a FAO reduziu ligeiramente sua projeção da produção mundial de trigo em 2022 para 782 milhões de toneladas, de 784 milhões no mês passado.

A previsão considerou uma redução de 20% na área colhida na Ucrânia e um declínio projetado na produção no Marrocos por causa de uma seca no estado do norte da África.

Com quase todas as safras colhidas, a previsão de produção mundial de cereais da FAO para 2021 permaneceu inalterada em 2,799 bilhões de toneladas, 0,8% acima dos níveis de 2020.

A agência aumentou ligeiramente sua projeção do comércio global de cereais no ano de comercialização de 2021/22 para 473 milhões de toneladas, um aumento de 3,7 milhões de toneladas em relação à previsão do mês passado, mas 1,2% abaixo do nível recorde de 2020/21.

A FAO disse que a revisão para cima refletiu exportações mais fortes da Rússia com base nos embarques contínuos em abril, principalmente para Egito, Irã e Turquia.

A FAO alertou em março que os preços dos alimentos e rações podem aumentar em até 20% como resultado do conflito na Ucrânia, aumentando o risco de aumento da desnutrição.

Compartilhe esta publicação: