Brasil testa trigo transgênico à medida que oferta global aperta

Para se tornar menos dependente de importações, Brasil testa o plantio de trigo geneticamente modificado, resistente à seca

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Shannon VanRaes/Reuters
Shannon VanRaes/Reuters

Sem a exportação de trigo da Ucrânia, Brasil busca outras soluções para obter os grãos.

Acessibilidade


O Brasil está testando uma variedade de trigo geneticamente modificado, resistente à seca, em uma tentativa de se tornar menos dependente de importações do cereal à medida que a oferta global aperta.

O movimento é o mais recente sinal do crescente interesse mundial em plantar trigo que possa resistir à seca, já que o clima mais extremo ligado às mudanças climáticas aumenta o risco de fome global.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Um pesquisador da Embrapa disse à Reuters, na sexta-feira (3), que a agência brasileira fez uma parceria com a empresa argentina Bioceres, que desenvolveu um trigo geneticamente modificado que pode prosperar em clima seco.

As outras culturas principais, soja e milho, são quase inteiramente cultivadas com sementes geneticamente modificadas no Brasil, mas os consumidores já se opuseram ao uso da tecnologia no trigo, uma vez que ele é geralmente consumido diretamente pelas pessoas e não na ração, como os outros grãos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Austrália e Nova Zelândia aprovaram a venda e uso de alimentos que contêm trigo HB4 da Bioceres no mês passado.

Testes da cultura no Brasil não haviam sido relatados anteriormente. A Bioceres não quis comentar.

Trigo transgênico brasileiro

A Embrapa recebeu a aprovação regulatória da agência de biossegurança do Brasil CTNBio em março, quando começou a plantar trigo em campos de teste perto de Brasília, no Cerrado, onde os agricultores tradicionalmente plantam soja e milho, disse Jorge Lemainski, chefe de pesquisa de trigo da Embrapa, em entrevista.

Ele disse que a agência informará em agosto sobre o desenvolvimento do trigo transgênico testado na região do Cerrado.

O plantio de teste começou logo após a invasão da Rússia na Ucrânia, grande exportadora de grãos, que levou os preços do trigo a quase recordes. O Brasil é o maior exportador mundial de soja, mas é um importador líquido de trigo.

Cerca de 90% do trigo que o Brasil cultiva vem do Sul, região com clima mais ameno. Plantar a safra mais ao norte poderia aumentar muito a quantidade de trigo cultivada no Brasil.

Uma pesquisa recente mostrou que mais de 70% dos consumidores no Brasil consumiriam trigo transgênico, um sinal de que a oposição às culturas geneticamente modificadas está diminuindo.

O governo do presidente Jair Bolsonaro, aliado do poderoso lobby agrícola brasileiro, gostaria de reduzir a dependência do país das importações de trigo da vizinha Argentina e aumentar as exportações do cereal do Brasil.

Qualquer potencial plantio comercial de trigo transgênico pode demorar ainda cerca de quatro anos, com pendências de resultados de testes de plantio e aprovações regulatórias, disse Lemainski.

“Uma coisa é fazer pesquisa e outra é fazer agricultura extensiva”, disse ele. Tentativas anteriores de desenvolver trigo geneticamente modificado foram problemáticas.

A empresa de sementes Monsanto engavetou os planos de desenvolver trigo geneticamente modificado nos Estados Unidos em 2004 devido a preocupações com a rejeição de compradores estrangeiros e temores de que as plantas de teste pudessem entrar no suprimento de alimentos.

O Japão parou de comprar trigo do Canadá em 2018, depois que grãos contendo uma característica geneticamente modificada foram descobertos na província de Alberta.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: