Consequências serão vistas no clima se COP26 fracassar, diz premiê britânico

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse neste domingo que os esforços globais para enfrentar a mudança climática, que remontam a décadas atrás, fracassariam se as negociações das Nações Unidas em Glasgow durante a COP26 não.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Hannah McKay/Reuters
Hannah McKay/Reuters

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico

Acessibilidade


O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse neste domingo que os esforços globais para enfrentar a mudança climática, que remontam a décadas atrás, fracassariam se as negociações das Nações Unidas em Glasgow durante a COP26 não forem bem sucedidas.

“Os países mais responsáveis pelas emissões históricas e atuais ainda não estão fazendo sua parte justa do trabalho”, disse Johnson aos repórteres após uma cúpula do G20, antes de voar para Glasgow para a COP26.

“Se quisermos evitar que a COP26 seja um fracasso, então isso deve mudar, e deve ficar claro que se Glasgow falhar, então tudo falhará”, afirmou.

Para o o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, os líderes do grupo das 20 maiores economias do mundo fizeram importantes progressos no combate à crescente ameaça do aquecimento global. Ele classificou a cúpula com duração de dois dias como um sucesso.

Draghi falou aos jornalistas que, pela primeira vez, todas as nações do G20 concordaram sobre a importância de limitar o aquecimento global ao nível de 1,5 grau Celsius, que os cientistas dizem ser vital para evitar desastres.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Vimos países bastante relutantes em seguir as linhas que sugeríamos até poucos dias atrás, e então eles mudaram”, disse Draghi em entrevista coletiva de encerramento do encontro, rebatendo as críticas dos ativistas climáticos de que o G20 não havia avançado o suficiente.

“Os líderes do G20 assumiram compromissos substanciais… É fácil sugerir coisas difíceis. É muito, muito difícil executá-las de fato”, acrescentou.

Por outro lado, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse neste domingo que a reunião de cúpula do G20 o decepcionou, mas não destruiu suas esperanças.

“Deixo Roma com minhas esperanças não cumpridas, mas pelo menos elas não estão enterradas”, escreveu ele no Twitter.

Os líderes do G20 assinaram neste domingo uma declaração final que pede ação “significativa e efetiva” para limitar o aquecimento global, ao mesmo tempo que oferece poucos compromissos ou detalhes concretos sobre como devem ser atingidas as metas para limitar as emissões que causam o aquecimento global.

(Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: