Milhares se reúnem em Glasgow para pedir ação climática global mais ousada

Ativistas disseram que a reunião até agora está mostrando muito pouca evidência de progresso.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Dylan Martinez/Reuters
Dylan Martinez/Reuters

COP26 em Glasgow

Acessibilidade


Milhares de manifestantes se reuniram hoje (6) em Glasgow, na Escócia, para marchar pela cidade anfitriã da conferência do clima da ONU, exigindo uma ação global mais ousada.

Carregando bandeiras vermelhas e faixas com os dizeres “O capitalismo está matando o planeta”, uma multidão de jovens – alguns com megafones – culpou as empresas pela crise climática.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Em outra parte da manifestação, dezenas de bandeiras nacionais escocesas foram lançadas ao vento. Outros chamaram a atenção para o clima, justiça e a vulnerabilidade dos agricultores.

A poucos quarteirões de distância, na conferência climática COP26, os palestrantes soaram o alarme sobre como o aquecimento global está devastando áreas agrícolas e ameaçando a segurança alimentar.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A semana foi marcada por discursos e promessas de governos para eliminar o carvão, reduzir as emissões de gases de efeito estufa e o desmatamento.

Mas ativistas disseram que a reunião até agora está mostrando muito pouca evidência de progresso.

Em um palco da conferência, o ator Idris Elba reconheceu que tinha poucas credenciais para falar sobre as mudanças climáticas, mas disse que estava na COP26 para amplificar preocupações sobre a ameaça para a segurança alimentar global. Sentada no mesmo painel, a ativista Vanessa Nakate, de Uganda, implorou ao mundo para que se elimine a queima de combustíveis fósseis, a principal causa do aumento das temperaturas globais.

“Estamos assistindo o colapso das fazendas e a perda de meios de subsistência devido a inundações, secas e ataques de gafanhotos”, disse ela.

“A crise climática significa fome e morte para muitas pessoas no meu país e em toda a África.” Líderes da sociedade civil e representantes de empresas como Unilever e PepsiCo falaram na conferência sobre a responsabilidade corporativa para meios de produção e comércio mais sustentáveis. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: