Jovens levam internet a refugiados na Croácia

Voluntários carregam pontos móveis de Wi-Fi para áreas ocupadas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reprodução

Reprodução

Acessibilidade


Cerca de 30.000 refugiados entraram na Croácia desde a última quarta-feira (18). Muitos estão famintos, cansados e necessitados de cuidados médicos. Voluntários estão trabalhando noite e dia para ajudar, mas pessoas que esperam em vários centros de refugiados e estações de trem tentando encontrar um jeito de entrar na Europa Ocidental estão desesperadas por informação.

Eles estão tentando encontrar rotas para chegar à Alemanha e, com as fronteiras para Eslovênia e Hungria fechando e reabrindo em questão de horas, informação é vital. Sem acesso à internet, eles não têm informação alguma.

VEJA TAMBÉM: Bilionário egípcio negocia a compra de duas ilhas para abrigar refugiados

Um grupo com base em Osijek, na Croácia, lançou um projeto chamado Otvorena Mreža (“Rede Aberta”), que cria pontos de Wi-Fi. Voluntários carregam os pontos em suas costas (mochilas com dispositivos móveis de WiFi) para onde são mais necessários. Até agora, estiveram nas cidades de Tovarnik e Beli Manastir. Um ponto móvel de WiFi alcança um raio de várias centenas de metros.

Eles dizem que a resposta tem sido extremamente positiva. “Muitos deles não têm tido notícia de suas famílias por dias. Eles não sabem onde estão” diz Valent Turković, fundador do projeto na Croácia, para o site Mashable. “Na maior parte do tempo, tanta gente nos rodeava que nem tivemos tempo de falar com eles”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em cidades maiores, como Zagreb, internet 3G está disponível. Mas, em vilas pequenas e em muitos centros de refugiados, o 3G deixa de funcionar quando muitas pessoas tentam conectar. Esse é um dos maiores obstáculos do grupo: a falta de 3G. Turković diz que planeja, no futuro, construir uma rede mais resistente, independente das operadoras móveis locais, que poderia funcionar em tempos de crise como esse.

O projeto conseguiu ajudar pessoas através do Nodewatcher, uma solução rápida para desenvolver pontos de WiFi da Eslovênia. O próximo passo é fornecer instruções sobre qual equipamento usar e como configurá-lo para que todos consigam criar um ponto de WiFi rapidamente.

SAIBA MAIS: 10 países com mais refugiados

Muitos dos migrantes e refugiados estão usando, também, sistemas privados de mensagens, como o WhatsApp. O app é usado para trocar informações vitais sobre passagens de fronteiras e caminhos mais seguros.

Com a crise de migrantes na Europa alcançando níveis não vistos desde a era pós II Guerra Mundial, devido em grande parte aos milhões de sírios deslocados, os refugiados estão, mais do que nunca, tentando encontrar rotas para o norte da Europa. Sírios não estão sozinhos em sua jornada, porém, pois outros migrantes da África e do Oriente Médio estão indo para a Europa em busca de empregos e melhor qualidade de vida.

Compartilhe esta publicação: