Academias de prédios viram centros de bem-estar

ReproduçãoForbes
Assim como treinamento e instrução pessoal crescem em popularidade, eles bombam nos espaços de bem-estar “Zen”

Resumo:

  • 91,4% dos entrevistados disseram ter uma academia perto de casa; menos de 40%, porém, utilizam o espaço toda semana;
  • Os residentes possuem queixas e exigências, e o mercado está mudando para suprir essa demanda; 
  • A LulaFit é uma das empresas que mais se destaca no meio.

Pense em quando você estava procurando seu primeiro apartamento, talvez depois de deixar a faculdade. Se encontrasse um prédio que tivesse a própria academia, era provável que fosse apenas uma pequena sala com alguns pesos, bicicleta ergométrica e esteira. Ainda assim, você sentiu a sorte de ter encontrado, certo? Se você morasse em um lugar quente e o local também tivesse piscina, iria se sentir grato por ter uma maneira de se refrescar depois do trabalho. Os tempos — e as coisas — mudaram. As acanhadas academias de condomínio evoluíram para centros fitness bem equipados, com uma variedade de recursos para o bem-estar.

“A maioria dos espaços fitness que vemos hoje tem uma grande área de treinamento funcional com equipamentos para exercícios aeróbicos e de musculação, além de um estúdio de ioga”, diz Zack Neff, vice-presidente de operações da empresa LulaFit, com sede em Chicago. “Esses espaços estão mais completos do que aqueles que você vê em hotéis.” Nos cinco anos de atuação da LulaFit, a tendência só se acentuou, segundo Neff. “Os espaços têm ficado cada vez maiores e mais agradáveis.”

ReproduçãoForbes
Crescem os estúdios de ioga nas áreas fitness dos condomínios

LEIA MAIS: Por dentro do mercado de preservativos de luxo

A questão que paira no ar é se essas academias estão mesmo sendo usadas ou se os moradores dos edifícios descumprem as promessas de Ano Novo. A Pesquisa de Preferências de Residentes de 2017, conduzida pelo Conselho Nacional da Habitação Multifamiliar, associação comercial do setor de aluguel residencial, apontou que 91,4% dos entrevistados tinham uma academia por perto, mas pouco menos de 40% faziam uso ao menos uma vez por semana. Os entrevistados também disseram querer mais que uma sala com equipamento; eles querem treinamento:

  • 7,6% gostariam de ter aulas virtuais;
  • 26,5% solicitaram aulas com instrutor;
  • 22,9% querem aulas virtuais e presenciais.
ReproduçãoForbes
As acanhadas academias de condomínio evoluíram para centros fitness bem equipados

Companhias como a LulaFit surgiram para oferecer soluções para as demandas detectadas. “As aulas mais desejadas são de ioga, treinamento intervalado de alta intensidade, força e condicionamento”, diz Neff. A empresa também oferece lições de culinária e nutrição, serviços de massagem e eventos de meditação para os residentes.

Assim como treinamento e instrução pessoal crescem em popularidade nas comunidades, eles bombam nos espaços de bem-estar “Zen”. Por exemplo: a torre de condomínio One Bennett Park do Related Midwest, em Chicago, possui uma sala de meditação, piscina de sal coberta de 10 metros, suíte com spa e deck de recreação paisagístico. “Nas áreas urbanas, com a agitação da vida da cidade batendo à porta, é importante oferecer oportunidades para os residentes relaxarem e se descontraírem”, afirma Haley Rafferty, gerente geral sênior do local.

ReproduçãoForbes
“Nas áreas urbanas, é importante oferecer oportunidades para os residentes relaxarem e se descontraírem”

Outras comodidades bem vistas são jardins internos, saunas e banhos de vapor à beira da piscina, espaços tranquilos e paredes verdes.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).