Prêmio Woolmark estimula estilistas emergentes a criar de forma sustentável

Getty Images
Getty Images

Carine Roitfeld apresenta o prêmio Karl Lagerfeld

A agenda sustentável do planeta tem mobilizado as mais diversas áreas do mercado de consumo – e a moda não está fora desse movimento. Um exemplo é a visibilidade dada ao tema durante o prêmio internacional Woolmark, um dos eventos mais importantes para costureiros emergentes, celebrado no dia 17 de fevereiro durante a London Fashion Week.

Os dez finalistas demonstraram seu comprometimento com o tema ao criar coleções a partir de tecidos biodegradáveis, como a lã de merino australiano e outras fibras naturais, além de adotar processos produtivos mais humanizados e com menor impacto ambiental.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

Eles foram julgados por um time de experts que incluía o apresentador Tim Blanks e o estilista Kim Jones.

Getty Images
Getty Images

Os vencedores, Richard Malone e Emily Adams Bode, e seus modelos

O irlandês Richard Malone levou o prêmio principal da noite (US$ 130 mil) ao apresentar as roupas de merino produzidas em conjunto com tecelãs da Índia, utilizando técnicas de tingimento natural. A costureira americana Emily Adams Bode ganhou o prêmio inaugural de inovação (US$ 75 mil) criado em homenagem a Karl Lagerfeld, que morreu em fevereiro de 2019, aos 85 anos.

Reportagem publicada na edição 75, lançada em março de 2020

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).