Por que a América do Sul é o paraíso para pesca de dourado

Francois Botha
Francois Botha

O vasto pântano da Argentina é um cenário de outro mundo para um dos maiores peixes selvagens do planeta

Os pantanais gigantes da Argentina abrangem cerca de 18 mil km², o segundo maior pântano do mundo, atrás apenas do Brasil. É um labirinto de rios, riachos e lagoas que são os esconderijos de notórios ladrões de moscas conhecidos como dourados, um dos peixes lutadores mais difíceis de pescar no mundo.

Leia mais: Tequila super-premium Tears of Llorona chega a custar US$ 300 por garrafa

Meu velho amigo Matt Connolly e eu fomos ao fim da Terra para dançar tango com esse peixe cuja beleza esconde sua natureza cruel. Nossa base foi o Pira Lodge, parte da coleção Nervous Waters de alojamentos de “fly fishing” (pesca com isca artificial) premium encontrados em todo o mundo. O guia sul-africano François Botha nos batizou na experiência de pesca de dourados. Ele é um embaixador energético para o esporte e, como a maioria dos sul-africanos que conheci, fará sua própria festa se não puder participar de uma. Ele nos levou por uma série de canais e cortes no pântano a caminho de locais onde ele já havia encontrado um bom número de peixes em suas viagens de prospecção.

Em 15 minutos de nossa viagem, já estava completamente desorientado a respeito do nosso paradeiro. Em outras palavras, se Botha de repente sumisse, Connolly e eu nos tornaríamos nada mais do que um caso arquivado de pessoas desaparecidas.

Conforme navegamos para a nossa primeira piscina de dourados, fazemos curvas no canal e vemos capivaras do tamanho de ursos pretos –uma espécie de castor sul-americano, elas são os maiores roedores do mundo. Os pântanos também abrigam todos os tipos de animais exóticos, incluindo um trio de felinos impressionantes: onças, pumas e jaguatiricas. Além disso, há uma abundância de jacarés, sucuris, bugios e macacos-aranha, e a mortal fer-de-lance, uma víbora super-rápida. Há também uma incrível diversidade de pássaros.

Após o passeio de 45 minutos pelo pantanal, emergimos em uma série de lagos que parecem uma avenida de dourados. Connolly se levanta e começa a praticar lançamentos enquanto Botha o instrui a lançar sua isca artificial para o meio do canal. Cerca de 20 segundos depois, há um dourado de quatro quilos arrancando a linha do rolo de Connolly em uma performance digna do Cirque du Soleil, passando mais tempo girando no ar do que nadando na água. Em apenas alguns segundos de encontro, não resta nenhum mistério sobre por que tantos pescadores viajam para este paraíso da pesca sem limites. Este não é apenas um dos grandes peixes esportivos de água doce do mundo, é um dos peixes esportivos épicos do planeta, no mesmo nível de seus irmãos de água salgada.

Enquanto eu passo para a frente do barco e começo minha vez navegando nessas águas, lanço minha isca mais longe no canal, um território intacto onde espero que outro peixe me aguarde. Dois lançamentos no rio e a água começa a espirrar como se um tubarão estivesse despedaçando uma presa, o dourado pulando três vezes antes de se proteger em algumas plantas e sair do anzol.

Connolly ficou com pena do meu encontro e abriu mão de sua vez de subir na prancha e capturar uma das feras, então eu permaneço na proa, analisando as águas à frente enquanto Botha nos empurra para outro local de pesca. Desta vez, vejo uma superfície de peixe 30 metros à frente, a respiração combinada com a cauda do peixe bifurcando-se para fora da água, revelando um dourado de proporções épicas. Eu largo a isca no último local que vimos o peixe, duas vezes. Nada. Tento alguns metros para a esquerda e logo o peso da vara aumenta e eu me surpreendo. A batalha começa e estou determinado a não perder desta vez. Depois de meia dúzia de saltos, meu primeiro dourado chega no barco, um espécime deslumbrante com dentes que lembram o sorriso de uma piranha.

Leia também: Rolls-Royce divulga as primeiras imagens do Dawn Silver Bullet

Depois de uma hora testando essas águas, Botha liga o motor de nosso barco e subimos o que parece uma velha trilha de caçadores em algum pântano canadense, do tipo que um caiaque teria dificuldade de navegar. É um espaço de um metro de largura acompanhado de uma vegetação flutuante sem fim que parece que poderia se fechar atrás de nós a qualquer momento como uma espécie de armadilha para moscas gigantes. Em alguns pontos ao longo do caminho, paramos para abrir nosso caminho, a jornada parecendo mais a passagem por um portal do que um passeio de barco. Eventualmente, emergimos dessa luta com plantas marinhas e chegamos a uma piscina de 20 mil m².

“É isso pessoal, preparem-se”, diz Botha.

Eu me levanto e lanço a isca para a beira do rio, 30 metros à esquerda. Como se um dourado estivesse esperando minha chegada, ele esmaga a isca depois de uma tentativa, tentando pular o mais alto que consegue a cada salto. Poucos peixes, em minha experiência, lutam tanto contra a fisgada quanto o dourado. Seu desejo de ser livre é inspirador, sua relação com um anzol é a mesma que entre o gado e um aguilhão.

Antes que eu possa levar meu peixe para o barco, Connolly fisga um grande peixe para si, provando que a jornada valeu a pena. No final da tarde, é difícil não sentir como se você tivesse acabado de experimentar algo que ninguém mais viu, o mais próximo de um pouso na lua que Connolly e eu chegaremos. Pescar aqui não se resume apenas em capturar peixes, mas sim se apaixonar pelo lugar, um mundo líquido e vegetal tão diferente de tudo. Apenas o grande Delta do Okavango de Botswana pode, talvez, chegar perto disso.

Retornamos ao chalé com a sensação de que a aventura do dia foi o suficiente para justificar toda a viagem até o outro extremo do planeta. O que mais um pescador pode querer?

Em nosso último dia, Botha nos leva a mais um de seus lugares favoritos. Depois de uma longa jornada, saímos de uma tela de juncos para um lago com uma série de troncos de árvores mortas no meio do canal, aparentemente movidos por extraterrestres porque nenhuma outra árvore é visível em quilômetros. À medida que eliminamos os galhos cinzentos e fantasmagóricos, Connolly vê um peixe 20 metros à esquerda, solta a isca à frente do dourado e a passa perto de seu nariz. É uma tentação irresistível e a fera de cinco quilos batalha contra a vara de pesca, levando-o para um passeio em inúmeros saltos.

E também: Bar de New Orleans é conhecido por ser “assombrado”

Ver aquele peixe, assistir Connolly brigar com ele e finalmente pescar aquele dourado gigantesco se tornou um cartão-postal da jornada. É uma visão que fica gravada em minha mente onde permanece até hoje. É assim que grandes viagens são lembradas, em retratos da mente: às vezes em uma risada incontrolável ou, se você tiver sorte, em uma espécie de epifania que entrega uma verdade universal ainda não descoberta. Depois de décadas usando peixes como desculpa para viajar, eu tenho meu próprio livro pessoal de revelações de pesca, como é sempre bom levar muitas iscas ao pescar dourados… e trazer um GPS, só por segurança.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).