Fiocruz inicia envase de vacina da AstraZeneca e buscará acelerar entregas

Reuters/Amanda-Perobelli
Reuters/Amanda-Perobelli

A estimativa da Fiocruz é que 1 milhão de doses estejam liberadas em março

O processo de envase do primeiro lote de insumos da vacina contra Covid-19 da AstraZeneca com a Universidade de Oxford começou hoje (12) na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o órgão promete trabalhar para acelerar as entregas do imunizante ao Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, disse o diretor de Biomanguinhos, ligada à Fiocruz, Mauricio Zuma.

A vacinação contra Covid-19 no Brasil começou em 17 de janeiro com a CoronaVac, vacina do laboratório chinês Sinovac que está sendo envasada no país pelo Instituto Butantan, vinculado ao governo do Estado de São Paulo. Desde então o Butantan entregou 9,8 milhões de doses da vacina ao ministério e, além desse montante, o país tem 2 milhões de vacinas da AstraZeneca importadas prontas da Índia.

LEIA MAIS: AstraZeneca diz que vacina contra Covid-19 “não é perfeita”, mas salva vidas

Após atrasos tanto na chegada de novos lotes de insumos da CoronaVac quanto de matéria-prima para envase da vacina da AstraZeneca –cujo primeiro lote chegou só no último fim de semana–, já há relatos de falta de vacinas em algumas cidades, o que tem paralisado a vacinação nesses locais. A matéria-prima para as duas vacinas é importada da China.

No Rio de Janeiro, por exemplo, a prefeitura estima que os estoques durarão só até terça-feira (16).

“Estamos fazendo tudo que está ao nosso alcance para acelerar a entrega de vacinas no menor prazo possível”, disse Zuma aos jornalistas.

No último fim de semana, a Fiocruz recebeu 90 litros do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) da vacina da AstraZeneca, suficientes para o envase de 2,8 milhões de doses da vacina. Inicialmente, a Fiocruz envasará 400 mil doses do imunizante em um processo de pré-validação que, uma vez aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), poderão ser incluídas no PNI.

A estimativa da Fiocruz é que 1 milhão de doses estejam liberadas em março.

“São dois lotes de teste que vão estabelecer todo o processo de produção daqui em diante. Esse lote indo tão bem quanto está indo, nós vamos poder aproveitar para entrega comercial”, frisou Zuma.

“Nesse começo sabemos que vai ter dificuldade, mas depois que a produção encaixar, vamos ter boa produção e entregar uma quantidade de doses importante”, acrescentou.

O compromisso da Fiocruz é entregar até julho cerca de 100 milhões de vacinas e, no segundo semestre, já com a produção própria de IFA, mais 110 milhões de doses.

O pedido de registro da vacina AstraZeneca já foi feito na Anvisa e reuniões regulares têm acontecido para a prestação de informações e esclarecimentos. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).