Vacinas russa e indiana podem chegar ao Brasil até março

Ministro da Saúde garantiu que todas as opções de imunizantes disponíveis serão utilizadas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Catherine Falls Commercial/GettyImages

Governo brasileiro está negociando imunizantes com outros laboratórios

Acessibilidade


O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse hoje (5) que as vacinas contra Covid-19 Sputnik, russa, e Covaxin, indiana, que são alvos de negociação da pasta, podem chegar ao Brasil até março para colaborar com a vacinação contra a doença no Brasil.

Ele garantiu que o governo do presidente Jair Bolsonaro usará todo o cardápio de vacinas que estiver disponível para combater o novo coronavírus, que já matou quase 230 mil pessoas no Brasil.

VEJA TAMBÉM: Butantan negocia compra de mais 20 milhões de doses da CoronaVac, diz Doria

“Não é com Oxford/Astrazeneca que vamos buscar a solução para a pandemia. Temos contrato com Butantan de 100 milhões de doses até o meio do ano. Continuamos avançando negociações com outros laboratórios… Todas elas estão na prateleira de negociações”, disse o ministro ao participar da cerimônia de lançamento de um edital para construção de um complexo industrial da Fundação Oswaldo Cruz, que deve entrar em operação em 2025.

Sobre a Sputnik, Pazuello disse que teve encontros com representantes da vacina russa e que as conversas estão no estágio de tomada de preços. Também há tratativas com o laboratório indiano Bharat Biotech, fabricante da vacina Covaxin.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Essa duas vacinas representam a possibilidade de entrega em fevereiro e março de mais 30 milhões de doses de vacina”, afirmou. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: