Anvisa aprova o registro do primeiro autoteste para Covid-19 no Brasil

Autoteste permite que a pessoa realize todas as etapas da testagem, desde a coleta da amostra até a interpretação do resultado.

Da Redação
Compartilhe esta publicação:
Waldemar Brandt/Unsplash
Waldemar Brandt/Unsplash

Farmácias brasileiras agora poderão vender autotestes de Covid-19 para fazer em casa

Acessibilidade


A Anvisa aprovou hoje (17) o primeiro autoteste para Covid-19 do Brasil. O produto registrado o Novel Coronavírus (Covid-19) Autoteste Antígeno, da empresa CPMH Comércio e Indústria de Produtos Médico-Hospitalares e Odontológicos Ltda. O produto foi aprovado para uso com amostra de swab nasal não profunda e o resultado sai em 15 minutos.

Para conceder o registro, a Anvisa analisa uma série de requisitos técnicos, entre os quais estão a usabilidade e o gerenciamento de risco, que servem para adequar o produto ao uso por pessoas leigas, garantindo maior segurança.

De acordo com a agência, o produto atendeu aos critérios técnicos definidos e também teve o desempenho avaliado e aprovado pelo INQS (Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde), conforme estabelecido no PNE (Plano Nacional de Expansão da Testagem) do Ministério da Saúde.

O autoteste é o produto que permite que a pessoa realize todas as etapas da testagem, desde a coleta da amostra até a interpretação do resultado, sem a necessidade de auxílio profissional. Para isso, deve seguir atentamente as informações das instruções de uso.

A Anvisa informa que o autoteste deve ser feito entre o 1º e o 7º dia do início de sintomas como febre, tosse, dor de garganta, coriza, dores de cabeça e no corpo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Somente os autotestes aprovados pela Anvisa podem ser comercializados no país e a agência alerta que um resultado positivo por autoteste não serve como atestado médico.

Os autotestes da Covid-19 já são usados largamente em países da Europa e nos Estados Unidos, mas o Brasil proibia o uso de autotestes em doenças virais de notificação compulsória.

Compartilhe esta publicação: