Pandemia gera maior retrocesso na vacinação infantil em uma geração, diz ONU

O número de crianças com "dose zero", que não receberam nenhuma vacina, aumentou 37% entre 2019 e 2021

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Lucy Nicholson/Reuters
Lucy Nicholson/Reuters

Muitos esperavam que em 2021 haveria algum terreno recuperado após o primeiro ano da pandemia, mas a situação piorou

Acessibilidade


Cerca de 25 milhões de crianças em todo o mundo perderam no ano passado vacinas de rotina que protegem contra doenças potencialmente fatais, conforme os efeitos colaterais da pandemia continuam a atrapalhar os cuidados de saúde.

São dois milhões de crianças a mais do que em 2020, quando a Covid-19 causou lockdowns em todo o mundo, e seis milhões a mais do que na pré-pandemia em 2019, de acordo com novos números divulgados pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

O Unicef descreveu a queda na cobertura vacinal como o maior retrocesso sustentado na vacinação infantil em uma geração, levando as taxas de cobertura de volta a níveis não vistos desde o início dos anos 2000.

Muitos esperavam que em 2021 haveria algum terreno recuperado após o primeiro ano da pandemia, mas a situação piorou, levantando questões sobre os esforços de recuperação.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Quero transmitir a urgência”, disse à Reuters o especialista sênior em imunização do Unicef Niklas Danielsson. “Esta é uma crise de saúde infantil.”

A agência disse que o foco nas campanhas de imunização contra Covid-19 em 2021, bem como a desaceleração econômica e a pressão sobre os sistemas de saúde, impediram uma recuperação mais rápida das vacinações de rotina.

A cobertura caiu em todas as regiões, mostraram os números, que são estimados usando dados sobre a vacina de três doses para difteria, tétano e coqueluche (DTP3) e incluem crianças que não recebem nenhuma vacina e aquelas que faltam em qualquer das três doses necessárias para proteção. Globalmente, a cobertura caiu em 5% para 81% no ano passado.

O número de crianças com “dose zero”, que não receberam nenhuma vacina, aumentou 37% entre 2019 e 2021, de 13 para 18 milhões de crianças, principalmente em países de baixa e média rendas, segundo os dados.

Compartilhe esta publicação: