Cartas de Leonard Cohen são vendidas por US$ 876 mil

Valentin Flauraud/Reuters
Correspondências foram enviadas pelo músico à musa Marianne Ihlen

Uma coleção de mais de 50 cartas de amor escritas pelo cantor e compositor canadense Leonard Cohen à mulher que inspirou “So Long, Marianne” foi vendida por US$ 876 mil, com muitas delas sendo arrematadas por mais de cinco vezes a estimativa pré-venda, informou a casa de leilões Christie’s.

LEIA MAIS: Cartas de amor de Leonard Cohen serão leiloadas

O arquivo de cartas de Cohen a Marianne Ihlen registra seu caso de amor dos anos 1960 e o desabrochar da carreira de Cohen, que foi de poeta iniciante a músico famoso.

A principal carta, na qual o artista escreveu em dezembro de 1960 sobre estar “sozinho com os vastos dicionários da linguagem”, foi arrematada por US$ 56.250, ante estimativa original de US$ 10 mil, disse a Christie’s ontem (13).

Uma carta de 1964, na qual Cohen escreveu “estou famoso, mas vazio”, saiu por US$ 35 mil.

Cohen e a norueguesa Marianne se conheceram na ilha grega de Hidra em 1960, e ela se tornou a inspiração de várias de suas canções mais conhecidas, como “Bird on a Wire”, “Hey, That’s No Way to Say Goodbye” e “So Long, Marianne”, esta de 1967.

Ela morreu de leucemia em Oslo em julho de 2016, aos 81 anos. Cohen, que também sofria de leucemia, morreu em novembro de 2016, aos 82 anos.

VEJA TAMBÉM: Carro do ator Burt Reynolds vai a leilão

As cartas foram vendidas pela família de Marianne, e os compradores não foram revelados.

O principal item do leilão virtual de cinco dias foi um sino italiano de bronze do século 15 ou 16 que esteve pendurado na casa de Hidra que Cohen e Marianne dividiram em certa época. Ele foi avaliado em mais de US$ 12 mil e vendido por US$ 81.250.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).