Dólar se estabiliza perto de R$ 4,16

iStock
Às 11:40, a moeda norte-americana recuava 0,09%, a R$ 4,1580 na venda

O dólar oscilava entre estabilidade e leve queda hoje (27), mas ainda perto de R$ 4,16, com investidores evitando grandes movimentações após dias marcados por ruídos políticos nos Estados Unidos, sinalização de novos cortes de juros no Brasil e discursos de autoridades do Banco Central sobre atuações no câmbio.

LEIA MAIS: Dólar tem leve alta ante real

Às 11:40, a moeda norte-americana recuava 0,09%, a R$ 4,1580 na venda. Na B3, o contrato de dólar futuro mais líquido tinha queda de 0,32%, a R$ 4,1575.

Na semana, a cotação ainda tem ligeira alta, de 0,08%. A variação modesta, contudo, se segue a uma forte elevação de 1,6% na semana anterior, o que indica estabilização da moeda norte-americana em patamares mais altos, evidência da percepção do mercado de que a taxa “justa” para o dólar tem permanecido bem acima dos R$ 4.

Mesmo depois de disparar mais de 8% em agosto, o dólar ainda não encontra alívio em setembro, período em que acumula ganho de cerca de 0,5%. O mercado tem se dividido entre os conflitos comerciais entre EUA e China, a queda nos diferenciais de juros e o constante fluxo de saída de dólares do mercado local, movimento que tem persistido e sido abordado por autoridades do Banco Central.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, falará em evento em São Paulo ainda nesta manhã. Na véspera, Campos Neto citou essa dinâmica dos fluxos como um fator a pressionar a taxa de câmbio e afirmou que, nesse contexto, o BC tem atuado no mercado via oferta de moeda no mercado à vista.

O BC vendeu nesta sexta-feira US$ 400 milhões em moeda spot, de oferta de até US$ 580 milhões, e 8 mil contratos de swap cambial reverso (oferta de 11.600 contratos).

A queda dos juros também tem afetado o câmbio. Com a Selic na mínima histórica de 5,50% ao ano e podendo cair mais, a expectativa é que o prêmio de risco oferecido por aplicações em reais vis-à-vis os retornos dos Treasuries caia a novas mínimas históricas, o que reduz a atratividade da moeda brasileira.

“Um corte agressivo adicional de juros pelo BC poderia ampliar a volatilidade do real devido ao carry mais baixo”, disse o Goldman Sachs em relatório recente, notando que o real tem tido performance pior do que outras moedas emergentes desde o fim de julho.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).