EDP Renováveis obtém € 150 mi do banco EIB

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A fim de dar suporte ao desenvolvimento de projetos eólicos solares no Brasil, a EDP Renováveis obteve € 150 milhões do Banco Europeu de Investimento

A elétrica portuguesa EDP Renováveis obteve € 150 milhões do Banco Europeu de Investimento (EIB, na sigla em inglês) para apoiar o desenvolvimento de projetos eólicos e solares no Brasil, informou a companhia em comunicado hoje (5).

VEJA MAIS:EDP Renováveis anuncia eólica de 126 MW no Rio Grande do Norte

A operação, um crédito institucional, foi qualificada no chamado “Mecanismo de Ação Climática e Ambiental” (CAEF) do banco europeu, que visa financiar medidas contra a mudança climática fora da União Europeia.

Segundo a EDP Renováveis, os recursos vão contribuir para fomentar o plano de negócios da companhia no país. A empresa disse que “irá posteriormente distribuir os fundos por uma série de centrais solares fotovoltaicas e eólicas no Brasil”.

A companhia acrescentou em nota que pode ainda adquirir dívida de longo prazo com outras instituições financeiras para conseguir todos os recursos necessários para seus projetos.

“Esta linha de crédito irá ajudar-nos a prosseguir a nossa atividade no Brasil, um país em meio de uma transição para uma matriz energética mais amiga do ambiente. Além disso, estamos especialmente motivados pelo endosso de uma instituição com o calibre do EIB”, afirmou em nota o CEO da EDP Renováveis, João Manso Neto.

O EIB já apoiou quase 120 projetos na América Latina, em 14 países diferentes. O banco visa destinar pelo menos 25% de seus recursos para mitigação e adaptação às mudanças climáticas, sendo pelo menos 35% fora da União Europeia.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).