Jeff Bezos assina compromisso climático um dia antes de protesto dos funcionários

ReproduçãoForbes
Os críticos se perguntam se a Amazon pode cumprir com a sustentabilidade e ainda manter sua entrega rápida de produtos

Resumo:

  • O CEO da Amazon, Jeff Bezos prometeu que a empresa implementará iniciativas de descarbonização; 
  • O objetivo é que que 80% do uso de energia da Amazon seja renovável até 2024 e 100% até 2030; 
  • Apesar do compromisso, ainda há dúvidas sobre a medida.

LEIA TAMBÉM: Amazon lança serviço de streaming de música no Brasil

Menos de 24 horas antes de os funcionários da Amazon saírem em protesto contra o histórico ambiental da empresa, o CEO, Jeff Bezos, anunciou o um compromisso para tentar antecipar em dez anos os objetivos do Acordo de Paris

  • Ao assinar o compromisso, Bezos promete que a Amazon implementará iniciativas de descarbonização para atender aos requisitos estabelecidos no Acordo de Paris e atingir emissões de carbono zero até 2040.
  • A meta do Acordo de Paris para a neutralidade global de carbono era 2050; portanto, se a Amazon for bem-sucedida, ganhará uma década de vantagem.
  • Para atingir metas mais agressivas, Bezos quer que 80% do uso de energia da Amazon seja renovável até 2024 e 100% até 2030. O CEO também disse que a Amazon comprará 100 mil caminhões elétricos para ajudar a cumprir os objetivos.
  • Espera-se que mais de 1.000 funcionários da gigante de tecnologia participem de uma paralisação, que faz parte de uma greve global pelo clima. Mais de 800 eventos associados estão planejados amanhã (20).
  • O grupo que representa os funcionários do protesto fez um tuíte em apoio à adesão da Amazon, mas escreveu que ainda “não é suficiente”.
  • De acordo com o próprio relatório de sustentabilidade da Amazon, sua emissão de carbono total em 2018 foi de 44,4 milhões de toneladas métricas de gases de efeito estufa.

O que observar: O número total de funcionários da Amazon que protestam na sexta-feira e estimativas para a participação geral na greve.

O que não sabemos: os críticos se perguntam se a Amazon pode contribuir para os esforços de sustentabilidade e ainda manter sua entrega rápida de produtos.

Contexto: A Amazon, que faz mais de um bilhão de entregas por ano, tem uma enorme pegada ambiental. Além dos pacotes de remessa, os centros de computação em nuvem da empresa, na Virgínia, consomem grandes quantidades de eletricidade. O Acordo de Paris foi projetado para limitar o aquecimento global a dois graus Celsius, mas os pesquisadores determinaram que a meta deveria ser de 1,5 graus, com os países se tornando neutros em carbono até 2050.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).