Levante planeja IPO para o primeiro semestre de 2020

iStock
Levante diz que já cumpriu todas as regras para entrar listar ações

A casa de análise de investimentos e de educação financeira Levante pretende abrir o capital no primeiro semestre de 2020 no Bovespa Mais, segmento de acesso da B3, em uma aposta de que o juro baixo no país deve levar milhões de novos interessados por investimentos alternativos à poupança nos próximos anos.

LEIA TAMBÉM: Brasileiro precisa aprender a investir a longo prazo

“Já cumprimos praticamente todas as regras exigidas para obter a listagem na bolsa”, disse à Reuters o estrategista-chefe e cofundador da Levante, Rafael Bevilacqua. “Já estamos conversando com bancos”, acrescentou, sem revelar nomes das instituições financeiras.

Criada em março de 2018, a empresa, hoje com cerca de 40 funcionários, vende relatórios com análises de investimentos em ativos como ações, fundos imobiliários e títulos públicos, como do Tesouro Direto. Seus pacotes envolvem planos anuais que vão de cerca de R$ 260 a R$ 11 mil.

Além disso, a companhia tem cerca de 240 mil assinantes gratuitos. A empresa estima que esse número mais que dobrará nos próximos seis meses. A receita também é composta pela prestação de serviços de educação financeira.
Os sócios não revelam a base atual de clientes pagantes, mas preveem fechar 2019 com receita de R$ 10 milhões e dizem que esse número deve triplicar no ano que vem, alcançando cerca de R$ 230 milhões até 2024.

VEJA MAIS: B3: investidores no mercado de ações já são 1,1 milhão

A tese dos sócios da Levante é de que recursos hoje aplicados na poupança e em produtos mais conhecidos de renda fixa, como fundo DI e CDBs, que têm como referência a Selic, hoje no piso histórico de 5,5% ao ano, devem migrar nos próximos anos para produtos de investimento mais complexos.

Estimativas de mercado calculam que hoje cerca de 1% da população, ou 2,5 milhões de brasileiros, invistam em ações, mesmo com essa base tendo crescido cinco vezes nos últimos três anos.

“A expectativa da Levante é que esse número atinja 2,5% da população até 2025”, afirma Felipe Bevilacqua, irmão de Rafael e também cofundador do negócio. “Além da demanda de mercado por informação ser crescente, o uso de tecnologia permite a escalabilidade do modelo.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).