Minerva dispara após acordo para distribuir carne na China

Zoryana Ivchenko/Getty Images
Companhia se aliou com empresários chineses para distribuir carne bovina no país

As ações da Minerva chegaram a disparar 5,7% no pregão de hoje (2), renovando máximas desde janeiro de 2018, após a companhia assinar um memorando para formar uma joint venture com dois empresários chineses focada em distribuição de carne bovina na China.

LEIA MAIS: Minerva suspende férias coletivas

“Com o estabelecimento dessa joint venture, a companhia busca maximizar seus canais de distribuição na China, permitindo novas oportunidades de negócios, e de forma a atender à crescente demanda por proteína bovina no país, que hoje responde por, aproximadamente, 15% de todo o consumo global “, afirmou a empresa brasileira.

Por volta de 10h25, os papéis da Minerva subiam 4,62%, a R$ 10,41. Na máxima até o momento, chegaram a 10,52%. As ações eram destaque na ponta positiva do índice Small Caps, que tinha desempenho negativo, com queda de 1,48%.

“Acreditamos que este anúncio agora traga um poderoso potencial de longo prazo ao case de investimento”, afirmaram os analistas Thiago Duarte e Henrique Brustolin, do BTG Pactual, em nota enviada a clientes nesta quarta-feira.

VEJA TAMBÉM:Grupo Minerva fecha acordo com Alibaba e mais 5 chinesas

Eles destacaram que o acordo ocorre em um momento perfeito, uma vez que o surto de peste suína africana deve acelerar a demanda chinesa por importações de proteínas, bem como vem apenas algumas semanas após a Minerva ter duas outras unidades no Brasil aprovadas para exportar para a China, o que deve multiplicar seus volumes de vendas no país.

“Igualmente importante, consideramos isso um movimento ousado, ao apostar em algo que acreditamos que as empresas de alimentos em geral ainda não entenderam completamente: enquanto a China é obviamente um dos mercados de proteína mais promissores do mundo, nenhuma das grandes empresas de alimentos parecem ter conseguido entender como se posicionar para capturar completamente essas oportunidades”, afirmaram os analistas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).