WeWork fechará sua escola WeGrow no próximo ano

Getty Images
O WeWork encerrará as atividades sua escola particular WeGrow após o ano letivo atual

O WeWork anunciou hoje (11) que encerrará as atividades sua escola particular WeGrow na cidade de Nova York após o ano letivo atual, enquanto a empresa se concentra em seu principal negócio de escritórios compartilhados.

LEIA MAIS: Cofundador da WeWork, Adam Neumann perde status de bilionário

A empresa está cortando gastos, inclusive demitindo alguns funcionários e fechando ou vendendo ativos que não são essenciais para suas operações principais, pois procura evitar a falta de dinheiro.

O WeWork, que teve que abandonar uma oferta pública inicial em 30 de setembro por causa de preocupações dos investidores sobre como ela foi avaliada e seu modelo de negócios, está atualmente buscando novos investimentos de seu maior acionista SoftBank Group e do JPMorgan Chase, disseram fontes à Reuters.

A WeWork afirmou em comunicado que continuará operando a WeGrow até o ano letivo de 2019/2020, e que “o WeWork e as famílias dos estudantes da WeGrow estão envolvidos em discussões com as partes interessadas sobre os planos para a WeGrow para o próximo ano letivo”.

Na semana passada, os pais que buscaram seus filhos na escola primária WeGrow, no distrito de Chelsea, em Manhattan, estavam esperançosos de que ela continuasse aberta, mas disseram que não receberam muitas informações dos administradores.

A WeGrow, que recebe crianças de até dois anos de idade, foi fundado por Rebekah Neumann, esposa do ex-presidente-executivo da WeWork, Adam Neumann, que renunciou no mês passado.

A escola cobrava uma taxa anual de entre 22 mil e 42 mil dólares com base na idade do aluno.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).