Ibovespa fecha acima de 112 mil pontos com chance de acordo China-EUA

ReutersArendLaier
ReutersArendLaier

O volume financeiro da sessão foi expressivo e alcançou 21,639 bilhões de reais

O Ibovespa fechou em alta de mais de 1% hoje (12), superando os 112 mil pontos pela primeira vez, diante da possibilidade de um acordo comercial preliminar entre a China e os Estados Unidos, que catapultou uma sessão já positiva após novo corte da Selic e melhora da perspectiva do rating do país.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,11%, a 112.199,74 pontos. O volume financeiro da sessão foi expressivo e alcançou 21,639 bilhões de reais.

O Ibovespa renovou máximas à tarde, chegando a 112.444,74 pontos no melhor momento, após notícias de que China e EUA alcançaram um acordo em princípio sobre comércio e que o chamado “acordo fase 1” estava esperando apenas assinatura do presidente norte-americano, Donald Trump.

Pouco antes das 18h40 desta quinta, a Bloomberg reportou que o presidente dos EUA assinou um acordo comercial para evitar a imposição de tarifas em dezembro.

VEJA TAMBÉM: Dólar cai e fecha abaixo de R$ 4,10 com otimismo comercial no exterior

De acordo com Pedro Menezes, membro do comitê de investimento de ações e sócio da Occam Brasil Gestão de Recursos, com o prazo para novas tarifas norte-americanas se aproximando e até então sem novidades efetivas sobre as negociações, havia receio de uma realização de lucros nas bolsas.

“Com o acordo, essa possibilidade diminui bastante. E pelo noticiário, as tarifas norte-americanas voltam para patamares de abril, quase metade do que havia em novembro. Confirmado isso, seria muito favorável à economia mundial”, afirmou.

A trajetória de alta do Ibovespa já havia se firmado após declaração de Trump, mais cedo, de que os EUA estavam “muito próximos” de fechar um acordo comercial com Pequim e reportagem do Wall Street Journal de que as negociações contemplavam corte de até 50% nas tarifas em vigor sobre 360 bilhões de dólares em importações da China, além do cancelamento de novas taxações planejadas para entrar em vigor em 15 de dezembro.

Em nota a clientes, Jonathan Garner, do Morgan Stanley, reconheceu que os mercados sob cobertura da equipe do banco permaneciam amplamente precificados para um adiamento ou cancelamento das tarifas e que se os EUA avançassem com essas tarifas, seria uma surpresa negativa significativa.

Antes de todo o noticiário sobre China-EUA, contudo, a B3 já mostrava um viés positivo desde a abertura, após corte da taxa básica de juros do país para nova mínima história e melhora na perspectiva do rating brasileiro pela Standard & Poor’s, além de números fortes do setor de serviços.

Estrategistas do Itaú BBA afirmaram em relatório nesta quinta-feira que continuam com recomendação “overweight” para o mercado acionário brasileiro em 2020 no portfólio de América Latina, citando perspectivas de crescimento e “momentum” de reformas, e reiteraram estimativa de que o Ibovespa alcance 132 mil pontos no final do próximo ano.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).