ONGs da internet lutam contra venda do controle do domínio ‘.org’

Reutersconnect/Yves Herman
Reutersconnect/Yves Herman

A venda do domínio poderia causar prejuízo para as milhões de ONGs que dependem dele

Um grupo de pioneiros da internet está se mobilizando para bloquear a venda de US$ 1,1 bilhão do controle do domínio .org, argumentando que a aquisição do domínio por uma empresa privada recém-fundada prejudicaria as milhões de organizações sem fins lucrativos que dependem dele.

LEIA MAIS: Preços do petróleo caem conforme preocupação com ataque iraniano diminui

Os registros para sites que terminam em .org são supervisionados há muito tempo pela ONG Internet Society, que anunciou inesperadamente em novembro que estava vendendo o controle para uma empresa fundada há um ano chamada Ethos Capital. A companhia conta com um ex-chefe da ICANN, a autoridade que administra a internet, como um de seus consultores.

Em uma tentativa de pressionar a ICANN a bloquear a venda, importantes executivos da internet disseram à Reuters que criaram uma cooperativa sem fins lucrativos que está oferecendo ao proprietário uma alternativa do domínio .org.

“É preciso haver um lugar na internet que represente o interesse público, onde sites educacionais, sites humanitários e organizações como a Wikipedia possam oferecer um benefício público mais amplo”, disse Katherine Maher, presidente-executiva da Wikimedia Foundation, controladora da Wikipedia, e futura diretora da nova organização sem fins lucrativos. A Wikipedia é o mais visitado dos 10 milhões de sites registrados com o domínio .org em todo o mundo.

Porta-vozes da Internet Society e Ethos disseram que ambos irão se pronunciar sobre o negócio em breve.

“O foco central da Internet Society não está nas operações de nomes de domínio”, afirmou a empresa em comunicado divulgado ontem (7). “Precisamos focar nos objetivos que temos – disponibilizar a internet para as pessoas que não a possuem e garantir que seja defendida contra seus agressores.”

Centenas de organizações sem fins lucrativos já se opuseram à transação, preocupadas com o fato de o Ethos aumentar os preços de registro e renovação de domínios, reduzir os gastos com infraestrutura e segurança ou fazer acordos para vender dados confidenciais ou permitir práticas como censura ou vigilância.

LEIA TAMBÉM: Foragido, Ghosn diz ter sido tratado “brutalmente” pelo Japão

O novo grupo informou os membros do Congresso dos EUA e espera levar a Internet Society a reconsiderar a venda. Mas sua melhor chance de interromper a negociação é a ICANN, que pode vetar qualquer alteração em caso de preocupação com a segurança, confiabilidade ou estabilidade do domínio .org.

A ICANN tem 30 dias a partir de 30 de dezembro para aprovar a venda do Ethos, rejeitá-la ou fazer mais perguntas, disse Cyrus Namazi, vice-presidente sênior da ICANN. Ele disse que a empresa não solicitou informações públicas sobre o acordo, mas que consultará sua diretoria antes de tomar uma decisão final.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).