Lucro da Rumo cresce 47% no 4º tri, a R$ 202 milhões

Forbes
Ebitda veio abaixo da previsão dos analistas, de cerca de R$ 1 bilhão

A Rumo teve aumento no lucro no quarto trimestre, uma vez que a tímida alta das receitas num trimestre operacionalmente fraco foi compensado por controle de custos e melhora do resultado financeiro.

A empresa de logística do grupo Cosan anunciou, na noite de ontem (13), que teve lucro líquido de R$ 202 milhões no quarto trimestre, após R$ 137 milhões no mesmo período do ano anterior. O número veio pouco acima da previsão média de analistas consultados pela Refinitiv, de R$ 183,5 milhões, e representa um aumento de 47,4% ante mesma etapa de 2018. Já o resultado operacional da companhia medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês), somou R$ 897 milhões entre outubro e dezembro. A margem Ebitda subiu 1,6%, para 53,9%.

VEJA TAMBÉM: Lucro da Rumo salta 61% no 3º tri

Embora tenha crescido 4,2% ante o número ajustado do quarto trimestre de um ano antes, o Ebitda veio abaixo da previsão dos analistas, de cerca de R$ 1 bilhão.

A receita líquida da companhia de outubro a dezembro subiu apenas 1% no comparativo anual, a R$ 1,664 bilhão. O número refletiu a pálida alta do volume transportado no trimestre, de 54 milhões de TKU (toneladas equivalentes). A empresa explicou que houve forte queda na disponibilidade de milho da área que atende em dezembro, devido a antecipação da safra, o que motivou também a queda de 4,9% no volume de transporte no porto. Por outro lado, o custo dos serviços vendidos subiu 1,6%, para R$ 1,09 bilhão.

O resultado financeiro de 2019 foi uma despesa líquida de R$ 1,198 bilhão, 12% inferior ao ano anterior. Além disso, a dívida líquida caiu 2,3% na passagem do terceiro para o quarto trimestre, a R$ 6,72 bilhões. A alavancagem financeira se manteve em 1,8 vez o Ebitda na base sequencial.

A Rumo afirmou no relatório que ainda existem incertezas quanto a demanda internacional por grãos, o que pode levar mercado a apresentar volatilidade no curto prazo.

E AINDA: Cosan informa mudança na cúpula e CEO da Raízen assumirá presidência da companhia

“No entanto, os fundamentos de longo prazo do nosso negócio permanecem inalterados”, disse a empresa. A companhia citou projeções de recorde da produção de soja no Brasil em 2020, com aumento de 9%, mas disse que deve haver queda nas exportações de milho.

PROJEÇÕES

A empresa estimou Ebitda de entre R$ 4,15 bilhões e R$ 4,65 bilhões em 2020, após R$ 3,8 bilhões em 2019. Em 2023, a Rumo espera que o Ebitda fique entre R$ 6,2 bilhões e R$ 6,9 bilhões.

A companhia também previu investimento este ano entre R$ 2,6 bilhões e R$ 3,4 bilhões, após R$ 2,02 bilhões. Para o período entre o ano passado e 2023 a Rumo espera investir de R$ 13 bilhões a R$ 15 bilhões.

A projeção para o volume transportado este ano é entre 64 bilhões e 68 bilhões de TKUs ante 60,1 bilhões em 2019. O volume deve subir para entre 88 bilhões e 94 bilhões de TKUs em 2023, considerando a expansão da concessão da malha da empresa no norte do Brasil e expectativa de crescimento da economia, afirmou a Rumo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).