Preços do petróleo caem pelo 5° dia, para menor nível em um ano

Christian Hartmann/Reuters
Christian Hartmann/Reuters

O petróleo Brent recuava US$ 1,17, ou 2,19%, a US$ 52,26 por barril, às 8:24 (horário de Brasília)

Os preços do petróleo caíam cerca de 2% hoje (27), no quinto dia consecutivo de perdas, para o menor nível desde janeiro de 2019, à medida que uma alta nos casos de coronavírus fora da China disparou temores de uma pandemia que poderia desacelerar a economia global e impactar a demanda pela commodity.

O petróleo Brent recuava US$ 1,17, ou 2,19%, a US$ 52,26 por barril, às 8:24 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos caía US$ 1,12, ou 2,3%, a US$ 47,61 por barril.

LEIA MAIS: Conheça as duas mulheres que comandam uma das sondas de perfuração de petróleo no Brasil

Pela primeira vez desde que o surto de coronavírus surgiu na China, o número de infecções fora do país excedeu o número de casos chineses.

A disseminação do vírus para grandes economias incluindo Coreia do Sul, Japão e Itália levantou temores de que o crescimento na demanda por combustíveis será limitado. A consultoria Facts Global Energy projetou que a demanda por petróleo deve crescer em 60 mil barris por dia em 2020, o que chamou de “praticamente zero”.

O presidente norte-americano Donald Trump tentou acalmar os Estados Unidos ontem (26), ao afirmar que o risco pelo coronavírus segue “muito baixo”, mas os mercados de ações asiáticos caíram na manhã de hoje.

“O impacto negativo nos preços deve se intensificar se o coronavírus for declarado uma pandemia pela Organização Mundial de Saúde, algo que parece iminente”, disse Tamas Varga, analista da PVM Oil Associates.

“O sentimento (do mercado) é sombrio e o fim do túnel não está à vista – não há luz à frente, apenas escuridão. Nem um relatório semanal novo positivo nos EUA foi capaz de apoiar os preços.”

Os estoques de gasolina nos EUA caíram em 2,7 milhões de barris na semana até 21 de fevereiro, para 256,4 milhões, segundo a Administração de Informação de Energia (AIE), com uma queda no processamento das refinarias.

VEJA TAMBÉM: Brasil produz mais de 1 bi de barris de petróleo em um ano pela 1ª vez em 2019

Os estoques de petróleo dos EUA aumentaram em 452 mil barris, para 443,3 milhões de barris, abaixo da alta de 2 milhões de barris estimada por analistas.

O mercado de petróleo agora aguarda possíveis aumentos nos cortes de produção pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, incluindo a Rússia, um grupo conhecido como Opep+.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).