Efeito Caixa Econômica pesa sobre resultado da MRV no 4º trimestre

A receita líquida da MRV no período, de R$ 1,42 bilhão, foi 9,5% menor do que um ano antes

A MRV teve no final de 2019 um hiato na sucessão de melhora dos resultados trimestrais, afetada por uma paralisação de quase dois meses de repasses da Caixa Econômica para programas habitacionais.

O grupo especializado em moradias populares anunciou ontem (2) que teve lucro líquido de R$ 151 milhões de outubro a dezembro, uma queda de 5,6% ante mesma etapa de 2018. O número veio quase em linha com a previsão média de analistas consultados pela Refinitiv, de R$ 160,1 milhões.

LEIA MAIS: MRV tem alta de 6% em lançamentos no 4º tri

No relatório de resultados a MRV citou a paralisação de 56 dias nos repasses da Caixa Econômica Federal, “devido à falta de verba da União para arcar com seu percentual dos subsídios”.

Com isso, a receita líquida da companhia no período, de R$ 1,42 bilhão, foi 9,5% menor do que um ano antes. Na mesma linha, o resultado operacional medido pelo Ebitda, de R$ 231 milhões, foi 7,1% menor ano a ano. A previsão média dos analistas para esta linha era de R$ 219,9 milhões.

Em janeiro, a MRV já havia anunciado resultados preliminares do período, com as vendas caindo 9,9% no trimestre.

Os números contrastam com os vários sinais de forte recuperação do setor imobiliário no país, diante da queda do juro básico para a mínima histórica de 4,25% ao ano. A própria MRV teve alta de 6,3% nos lançamentos do quarto trimestre.

Além disso, várias construtoras listadas na bolsa buscaram recursos no mercado de capitais nos últimos meses para financiar projetos de crescimento, enquanto outras anunciaram nas últimas semanas planos de também se listarem na B3.

A última delas foi a incorporadora You, ontem. Nas últimas semanas, a Cury, a Pacaembu, a incorporadora One Innovation e a construtora Canopus pediram registro para suas ofertas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês).

VEJA TAMBÉM: Lucro da MRV cai 8% no 3º trimestre

No começo de fevereiro, a Mitre estreou no pregão da B3 com um IPO de R$ 1,2 bilhão, o primeiro do setor em uma década.

Para não depender tanto de programas habitacionais subsidiados pelo governo, a MRV afirmou que pretende em 2020 continuar a estratégia de diversificação e direcionar parte dos lançamentos voltados ao programa Minha Casa Minha Vida para a Linha Essencial, que consiste de empreendimentos voltados a famílias com renda entre 2 e 2,8 salários mínimos.

No quarto trimestre 16,8% das vendas da empresa já ocorreram fora do programa Minha Casa Minha Vida.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).