“Tempos de guerra” fazem Ibovespa caminhar para pior perda mensal desde 1998

ReutersConnect/Paulo Whitaker
ReutersConnect/Paulo Whitaker

A pandemia de coronavírus continua trazendo volatilidade aos negócios, mas o Ibovespa se manteve em alta nesta segunda-feira

O Ibovespa fechou em alta hoje (30), com ações blue chips entre os principais suportes, acompanhando o desempenho dos pregões em Wall Street, mas o volume foi menor que a média registrada pela bolsa paulista, conforme a pandemia do novo coronavírus continua adicionando volatilidade aos negócios.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,65%, a 74.639,48 pontos. Durante a sessão, oscilou da mínimas de 73.184,22 pontos à máxima de 75.429,74 pontos.

LEIA MAIS: Porque o fim da pandemia pode não ser o fim do home office

O volume financeiro somou R$ 19,8 bilhões, abaixo da média do ano, de cerca de R$ 29 bilhões, e da média do mês, de mais de R$ 35 bilhões.

O avanço no pregão desta segunda-feira vem após uma queda de 5,5% na última sessão, com a perda em março alcançando cerca de 28%, que se mantida representará o pior desempenho mensal desde agosto de 1998 (-39,55%).

“Tempos de guerra”, afirmou a XP Investimentos em relatório a clientes, no qual voltou a revisar projeção do Ibovespa no final de 2020, desta vez a 94.000 pontos, de 132.000 pontos antes, dado o forte efeito nos lucros das empresas esperado nos próximos trimestres.

Nos EUA, o S&P 500 subiu 3,35%, mesmo após o presidente Donald Trump prorrogar as diretrizes de permanência da população em casa até o final de abril.

Tampouco desanimou os compradores de ações norte-americanas a notícia de que o número de casos de coronavírus nos EUA subiu para 140.904 registros, com o número de mortes aumentando para 2.405, conforme dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país.

A Johnson & Johnson disse que iniciará o teste em humanos de uma vacina candidata contra coronavírus em setembro e que, com o governo dos EUA, investirá para fabricar mais de 1 bilhão de doses.

LEIA TAMBÉM: Como manter sua equipe engajada durante a crise do coronavírus

Operadores ainda citaram a proximidade do fechamento do mês como mais um componente para a alta do Ibovespa, em meio a ajustes de carteira. “Não se descarta que muitos gestores estejam tentando melhorar a performance nessa reta final”, disse um deles.

Apesar da alta, é consenso no mercado que a volatilidade continuará elevada. “O crescimento exponencial de casos globais de coronavírus desencadeou respostas políticas maciças em todo o mundo”, ressaltou o diretor de pesquisa macro global da Oxford Economics, Ben May. “Porém, no curto prazo, a maior incerteza decorre do impacto dos bloqueios na atividade econômica.”

Pesquisa Focus do Banco Central mostrou nesta segunda-feira que economistas agora esperam contração da economia brasileira em 2020.

E TAMBÉM: Quais são as empresas que estão contratando na crise

O número de mortes em decorrência do novo coronavírus no Brasil avançou para 159 nesta segunda-feira e os casos confirmados de Covid-19 no país atingiram 4.579, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde.

Em todo o mundo, a pandemia já infectou mais de 700 mil pessoas e matou 35 mil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).