6 maneiras como as smart cities melhoram o dia a dia de seus moradores

Getty Images
Cidades interconectam seus serviços de segurança, saneamento e transporte com tecnologia, liderando essa nova tendência

Resumo:

  • As “smart cities” são cidades conhecidas por usarem soluções altamente tecnológicas para problemas do cotidiano;
  • De semáforos a lixeiras, essas soluções são abrangentes e ajudam no corte de gastos, no impacto ambiental e até na segurança pública;
  • Veja abaixo como algumas dessas medidas tecnológicas funcionam:

Os postes sabem quando você está andando pelas ruas de Barcelona.

Com sensores inteligentes, eles podem iluminar mais ou menos conforme as pessoas passam. É uma forma de economizar energia, criando calçadas mais seguras 24 horas por dia. Parece intuitivo, mas para a cidade, é uma grande contenção: o sistema de iluminação de Barcelona causa uma economia de US$ 37 bilhões anualmente.

LEIA MAIS: Como melhorar o transporte portuário com tecnologia

A Organização das Nações Unidas estima que até 2050, 68% da população mundial viverá em áreas urbanas, e as cidades estão cada vez mais inteligentes para suprir as necessidades que vêm com esse crescimento. Elas combinam internet, tecnologia da nuvem e análises em tempo real.

O que torna uma cidade inteligente? O fluxo livre de informações entre aparelhos interconectados, diz Joe Malenfant, diretor de tecnologia da Cisco. Pense em um farol de rua que analisa condições de tráfego e da rua em vez de só mudar de vermelho para verde. “Eu mando dados, mas também recebo dados”, afirma. Toda essa informação é enviada para o centro de comando do sistema, como a plataforma de redes que a Cisco comanda em Barcelona, e “dessa forma, podemos aprender continuamente e mudar ou atualizar a medida do necessário”. Será que o farol deveria ficar verde por mais alguns segundos? Será que os ônibus deveriam tentar uma nova rota para evitar o trânsito?

Quando gerindo uma cidade, pequenos avanços como esses podem acabar afetando eficiência, segurança pública, impacto ambiental, e qualidade de vida. A potencial economia é enorme.

A seguir, você verá casos de cidades que já adotaram ou pretendem adotar planos como esses, e esse é só o começo:

Trânsito e mobilidade

  • Semáforos inteligentes: semáforos conectados a sensores nas ruas monitoram os padrões do tempo e tomam decisões dinâmicas, como se o farol deveria estar vermelho ou verde, baseado nas condições de trânsito medidas em tempo real.
  • Estacionamento sob demanda: sensores infravermelhos no chão das garagens e nas ruas enviam alertas a smartphones, guiando os motoristas às vagas disponíveis. Em uma cidade em Portugal, o tempo que alguém passa dando voltas e procurando vagas foi cortado pela metade.

Segurança pública

  • Serviço de emergências em tempo real: câmeras são os olhos e ouvidos de equipes de emergência como bombeiros e policiais, equipando-os com informações cruciais sobre acidentes, crimes e outras urgências.
  • Monitoramento de infraestruturas: sensores embutidos em concreto monitoram as atividades que indicam a necessidade de reparos em pontes e barragens, prevenindo tragédias.
  • Iluminação inteligente: A Cisco estima que até 40% da conta de eletricidade de uma cidade vem da iluminação das ruas. Mudar para uma rede de luzes LED interconectadas, que reagem a pedestres e veículos, reduzem o impacto ambiental, crimes e custos.
  • Gerência de desperdício: Lixeiras públicas alertam os serviços de coleta automaticamente quando estão cheias, ao invés de esperar pela data marcada para coleta, evitando que elas transbordem e melhorando o saneamento.

Enquanto esses avanços chegam a cidades pelo mundo, tecnologias como o 5G lideram a indústria de inovação urbana.

A Cisco, que serve 120 “smart cities” em 180 países, está se posicionando para criar a infraestrutura que sustenta esse crescimento. “Imagine se você tivesse 10 mil programas abertos. Seu computador provavelmente não têm capacidade para isso. As cidades precisam melhorar a capacidade de suas redes”, fala Malenfant.

A medida que os centros de comando das cidades migra para o ambiente online, à cibersegurança se torna cada vez mais importante. “Você precisa saber quão segura é sua rede e quão seguros são seus aparelhos, já que eles são um grande ponto de vulnerabilidade a ser explorado”, pontua o executivo.

Entusiasmo pode tentar líderes a progredir rapidamente sem testar sua segurança, mas, para Malenfant, os projetos das “smart cities” de sucesso focam na mudança que incrementa e envolvem especialistas em tecnologia e cibersegurança e legisladores trabalhando juntos a todos os momentos.

“Você não precisa ferver o oceano”, diz. “Comece pequeno.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).