De grão em grão

Michel Macedo/Divulgação
Gustavo Gama, sócio-diretor da Pro Grão Café

Quem olha apenas os espetaculares números da produção agropecuária brasileira pode pensar que os envolvidos nessa fabulosa máquina nadam de braçadas em águas cristalinas e serenas. Nada mais distante da realidade. “Trabalhar com commodities não é fácil. Com café, então, é complicadíssimo”, revela Gustavo Gama, sócio-diretor da Pro Grão Café, empresa sediada em Colatina (ES) que assumiu em 2016.

Muitas empresas que beneficiam o café em grão cru no Brasil são familiares e passam de geração em geração. “A Pro Grão veio do zero. E logo no primeiro ano de vida encarou os gigantes do mercado”, lembra Gama.

Mas como competir com empresas que estavam há 40 anos no mercado, com as multinacionais? Como provar que não se tratava de mais uma empresa aventureira? “Foi aí que ajustamos nossa estratégia para nos mantermos vivos e, acima de tudo, sermos respeitados”, lembra.

Essa estratégia consistiu em percorrer o país entendendo quais eram as lacunas “ocultas” do mercado de café – aquelas que os grandes fornecedores não seriam capazes de enxergar.

A grande brecha identificada foi o fato de que os concorrentes (que na Pro Grão são chamados de parceiros) tinham abandonado a natureza do café, sua história e a história de cada agricultor. “Decidimos aproximar os produtores, entender suas necessidades diárias, ajudá-los com o acompanhamento de um profissional especializado na produção, no mercado, na cadeia toda.”

Na ponta do lápis, a empresa viu que, assim, era possível e viável focar em um café superior, “com alma”. O resultado não demorou. De 2017 a 2019, a Pro Grão Café Importação e Exportação triplicou o faturamento, atingiu a capacidade produtiva de beneficiamento em 1,5 milhão de sacas e aumentou sua margem de lucro. Passou a chamar a atenção de grandes investidores. “Mas dinheiro não era o foco do nosso negócio. Decidimos seguir em nosso ritmo, de forma independente. Poderíamos estar cinco vezes maiores, mas optamos por um crescimento orgânico e com bases sólidas.”

Um dos segredos da Pro Grão é “fazer um negócio milionário com o menor número possível de profissionais – mas com os mais capacitados”. Esse time de especialistas inclui desde pessoas que “nasceram em um terreiro de café” até experts em comércio internacional.

O crescimento obrigou a empresa a projetar para 2020 a construção de um novo armazém. E, com o aumento da demanda fora do país, já está estruturada a operação de expansão para o mercado internacional, especialmente para Ásia e Europa.

“A certeza de que estávamos no caminho certo veio quando ouvi de um experiente profissional da maior torrefação em atividade no Brasil a seguinte frase: ‘Quando eu penso em café de qualidade, lembro de vocês’.”

* BrandVoice® é de responsabilidade exclusiva dos autores e não reflete, necessariamente, a opinião da FORBES Brasil e de seus editores

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).