Como transformar a gestão eficiente de fornecedores em vantagem competitiva

Pixabay

A pandemia de Covid-19 escancarou uma série de fragilidades do mundo moderno. Uma delas foi a falta de matéria-prima em vários setores produtivos, paralisando indústrias, atrasando entregas e, consequentemente, gerando prejuízos financeiros e de imagem.

No cenário atual, não existe negócio capaz de operar sozinho. A interdependência entre as empresas e seus fornecedores, seja no caso de produtos ou serviços, é uma realidade sem volta. Para as grandes companhias, então, a situação é muito pior em função do tamanho e da capilaridade de sua rede de supply chain. Vale lembrar, ainda, que além de evitar prejuízos, uma gestão eficiente dos fornecedores é capaz de tornar as empresas mais produtivas e competitivas. E, por fim, caso a companhia seja adepta dos conceitos de ESG, essa sintonia fina é ainda mais relevante, já que qualquer problema com a qualidade do serviço prestado ou a falta de licença pode comprometer o ciclo do negócio como um todo.

“É preciso estar atento o tempo todo, mas isso é algo impossível de fazer apenas com recursos humanos”, explica Elaine Moreira, diretora técnica comercial da Âmbito, empresa do Grupo Ambipar, multinacional brasileira especializada em gestão ambiental com presença em 16 países da América do Sul, Europa, África, América do Norte e Antártida, lembrando que as empresas contratantes são responsáveis por seus fornecedores e respondem por qualquer tipo de prejuízo causado. E os riscos são os mais variados, de inconformidades trabalhistas e infrações ambientais a problemas financeiros e casos de corrupção.

Mas com conhecimento especializado e ajuda da tecnologia é possível controlar cada passo desse relacionamento. A Ambipar possui em seu portfólio sistemas de gestão de fornecedores destinados para todos os segmentos empresariais, abrangendo todos os escopos: qualidade, suprimentos, meio ambiente, responsabilidade social, saúde e segurança.

“O uso dessa ferramenta possibilita a homologação do fornecedor, controla o nível de atendimento aos requisitos da empresa, agiliza e centraliza todo o domínio dos documentos inseridos no sistema, como licenças, autorizações e alvarás”, explica Elaine. O recurso permite, ainda, o controle das exigências feitas em toda cadeia de valor, que prestam serviço direto ou indireto à empresa.

Os fornecedores são peças-chave para que toda a estrutura de uma empresa funcione da maneira adequada. Em alguns casos, eles são até mesmo a imagem da companhia perante o mercado, de modo que qualquer problema pode provocar uma exposição direta do contratante”, reforça Elaine. “Essa é uma estratégia que, quando bem executada, contribui para a performance dos indicadores ESG, o que ajuda reduzir riscos e atrair investidores.”

*BrandVoice é de responsabilidade exclusiva dos autores e não reflete, necessariamente, a opinião da FORBES Brasil e de seus editores

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).