Osesp apresenta o projeto Mulheres na Música

Concertos entre os dias 11/11 e 13/11 terão a volta da Regente de Honra Marin Alsop à Sala São Paulo e a participação da celebrada pianista Gabriela Montero.

Brand Voice Osesp
Compartilhe esta publicação:
Mariana Garcia
Mariana Garcia

Sala São Paulo

Acessibilidade


O projeto Mulheres na Música, da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Osesp, celebra o talento das mulheres na música clássica a partir da presença em sua programação de grandes artistas contemporâneas, como a violinista alemã Isabelle Faust (que se apresentou com a orquestra em outubro passado), a regente norte-americana Marin Alsop e a pianista venezuelana Gabriela Montero.

Entre os dias 11 e 13 de novembro, Marin Alsop, que foi Regente Titular e Diretora Musical da Osesp de 2012 a 2019, e a pianista Gabriela Montero, nascida na Venezuela e formada pela Academia Real de Música de Londres (e que em 2016 realizou uma bem-sucedida turnê por festivais de música europeus ao lado da Osesp), voltam a se encontrar no belíssimo palco da Sala São Paulo – apontada pelo jornal britânico The Guardian uma das dez melhores salas de concerto do mundo.

Adriane White
Adriane White

Marin Alsop, Regente de Honra da Osesp

Alsop é Regente de Honra da Osesp desde 2020 e, assim como Montero, vem à Sala São Paulo pela primeira vez neste ano, para interpretar com a orquestra o Concerto nº 1 Para Piano em Si Bemol Menor, de Tchaikovsky, e a peça Sheherazade, de Rimsky-Korsakov. A apresentação de sexta-feira, 12/11, às 20h, será transmitida ao vivo pelo canal da Osesp no YouTube.

A presença feminina na música de concerto permanece, em pleno século XXI, objeto de luta para as mulheres, sobretudo entre regentes e compositoras. Por mais surpreendente que pareça, ainda é pouco comum escutar obras escritas por mulheres nas principais salas de concerto do mundo, embora elas venham fazendo música desde o Renascimento.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Do mesmo modo, até os dias de hoje a esmagadora maioria dos regentes das principais orquestras do mundo são homens, assim como a maior parte dos instrumentistas das orquestras (Filarmônica de Berlim, uma das principais orquestras do mundo, só passou a aceitar instrumentistas mulheres na década de 1980).

Anders Brogaard

Gabriela Montero, pianista venezuelana

Um dos exemplos femininos mais célebres no majoritariamente masculino universo da música clássica talvez seja o de Marianne Mozart (1751-1829), a irmã mais velha de Wolfgang Amadeus Mozart. Exímia pianista, diz-se que ela era tão ou mais talentosa que Wolfgang, mas foi obrigada a abandonar a música para se casar e ter filhos, como mandavam os costumes da época em que viveu (final do século XVIII).

Mas também há exemplos de mulheres que conseguiram exercer sua vocação: filha de um professor de piano, a alemã Clara Schumann (1819-1896) aprendeu a tocar ainda criança e, aos 13 anos, passou a se apresentar pelos palcos da Europa. Na adolescência iniciou um romance com Robert Schumann, que na época era aluno de seu pai, e, depois que se casaram, Clara e o marido começaram uma longa colaboração artística, ele compondo e ela interpretando e divulgando suas composições. Clara continuou a compor mas foi forçada a parar a carreira por diversos períodos, seja por suas oito gestações, seja porque abdicou muitas vezes de sua atuação como compositora para promover a do marido.

Nomes como Fanny Mendelssohn, Lili Boulanger, Cécile Chaminade, Madeleine Dring, Ekaterina Walter-Kühne, Sofia Gubaidulina, Celestina Masotti e as brasileiras Jocy de Oliveira, Clarice Assad e Valéria Bonafé, entre tantas outras, são exemplos de mulheres extremamente talentosas e exuberantes do mundo da música de concerto, e estamos citando apenas compositoras (o que dizer das incontáveis cantoras líricas e instrumentistas mundo afora?).

A série Mulheres da Música conta com o patrocínio do J.P. Morgan e com o apoio da Ticket e do BCG por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A realização inclui: Fundação Osesp, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

Saiba mais em:
http://www.osesp.art.br

SERVIÇO
11 de novembro, quinta-feira, às 20h
12 de novembro, sexta-feira, às 20h – Concerto Digital
13 de novembro, sábado, às 16h30
Endereço: Sala São Paulo | Praça Júlio Prestes, 16
Taxa de ocupação limite: 1484 lugares
Recomendação etária: 7 anos
Ingressos: entre R$ 50,00 e R$ 100,00
Bilheteria (INTI): https://osesp.byinti.com/
(11) 3777-9721, de segunda a sexta, das 12h às 18h.
Cartões de crédito: Visa, Mastercard, American Express e Diners.
Estacionamento: R$ 28,00 (noturno e sábado à tarde) e R$ 16,00 (sábado e domingo de manhã) | 600 vagas; 20 para portadores de necessidades especiais; 33 para idosos.

* BrandVoice é de responsabilidade exclusiva dos autores e não reflete, necessariamente, a opinião da FORBES Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: