Com foco em ESG, Ambipar cria tecnologia de reflorestamento

Cápsulas biodegradáveis que carregam sementes para reflorestamento em massa são despejadas por drones em áreas degradadas

Brand Voice Ambipar
Compartilhe esta publicação:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Biocápsulas ativadas para o reflorestamento aéreo com drone facilitam a logística e a probabilidade de germinação

Acessibilidade


A Ambipar desenvolveu em seu Laboratório de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação uma maneira de fazer reflorestamento em massa respeitando práticas ESG. Trata-se da biocápsula, um tecnologia que permite que cápsulas biodegradáveis de colágeno provenientes de resíduos de indústria farmacêutica carreguem sementes de árvores nativas. Com condicionador de solo (EcoSolo®), as biocápsulas são despejadas por drone e agem no reflorestamento em massa de áreas degradadas.

Em escala global, existem 3,04 trilhões de árvores, segundo estimativas da Nature. Em média, são 422 árvores por pessoa no planeta, mas cerca de 7 bilhões dizimadas, por ano. No Brasil, especialmente na Floresta Amazônica – maior floresta tropical do mundo -, há altos índices de desmatamento, com uma média de 6.750 km² por ano registrados na última década. Em 2019, houve um aumento de 34% em relação ao ano anterior, chegando a 10.100 km² de território desflorestado, segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) de 2020.

Pensando nessa carência, a Ambipar desenvolveu biocápsulas ativadas para o reflorestamento aéreo com drone, facilitando a logística e a probabilidade de germinação, em comparação com o sistema tradicional de reflorestamento, principalmente, em áreas remotas de difícil acesso.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Drones despejam biocápsulas em áreas desmatadas

Essa tecnologia, além de promover o conceito da economia circular por meio da valorização de subprodutos industriais, também contribui para o fomento econômico de comunidades tradicionais como os caiçaras e indígenas. O produto se utiliza de sementes nativas adquiridas por coletores indígenas como a cooperativa Caik e Instituto Raoni, além do Ecosolo® (composto orgânico feito de resíduos da indústria de papel e celulose). Os grãos são envoltos nas cápsulas de colágeno (subprodutos provenientes da indústria farmacêutica), que possibilita a proteção contra o sol e aumenta a fertilidade do solo, ampliando a probabilidade de germinação.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em contato com a água, as cápsulas rapidamente derretem e formam nutrientes e organismos biológicos que ativam a semente. O processo eleva as chances de germinação em solos degradados e pobres de nutrientes onde houve desmatamento, queimada, erosão ou outra ação degenerativa antrópica.

Segundo Gabriel Estevam, engenheiro ambiental e diretor do Centro de Pesquisa da Ambipar, “o resíduo que antes era desprezado se transforma em árvores através do mesmo conceito que a natureza nos ensina, por meio dos pássaros que comem os brotos e depois soltam essas sementes do céu com nutrientes presentes em suas fezes, ativando-as”.

Por meio de um dispositivo de lançamento acoplado a drones, é possível fazer o lançamento aéreo em áreas específicas de difícil acesso. Em um único voo, o drone é capaz de carregar de 1.000 a 3.000 biocápsulas. Foram realizados diversos testes em áreas estratégicas, como em matas ciliares degradadas no entorno da Serra da Cantareira, na grande São Paulo.

Após o plantio, imagens aéreas são coletadas e o local é monitorado pelo aplicativo Sower X, que acompanha e certifica o desenvolvimento das árvores.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O produto se utiliza de sementes nativas adquirida por coletores indígenas

Processo das biocápsulas

As cápsulas duras de indústria farmacêutica são tradicionalmente feitas de gelatina, ou seja, colágeno hidrolisado (orgânico sem qualquer tipo de contaminação) e sua composição contém gelatina, água, corante e outros opcionais, como conservantes e adjuvantes. Quando entram em contato com a água, sofrem mudança de sólido para gel, em temperaturas pouco acima do ambiente.

Essas cápsulas gelatinosas feitas de material biodegradável, juntamente com as sementes, não causam danos ao meio ambiente, pois elas sofrem o processo de degradação natural e liberam as sementes no solo, além de nutri-las com nitrogênio, proveniente da própria cápsula.

Inovar para amparar o mundo

O Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Ambipar, é um renomado complexo tecnológico composto por laboratórios, equipamentos, linhas de prototipagem e pesquisadores que desenvolvem soluções inovadoras para o meio ambiente, com foco na economia circular da valorização de resíduos. Ao longo de 10 anos, o Centro já registrou mais de 24 patentes, mais de 30 prêmios, publicou centenas de artigos e implantou diversos projetos em várias regiões do Brasil e outros países.

* Brand Voice é de responsabilidade exclusiva dos autores e não reflete, necessariamente, a opinião da FORBES Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: