Bons recrutadores não precisam saber o quanto você ganha

O seu salário é um detalhe íntimo que deve ser guardado a sete chaves

Redação
Compartilhe esta publicação:

1

Acessibilidade


O mercado de trabalho do novo milênio tem cada vez mais se adaptado a indiferença na relação entre empregador e empregado, na filosofia de distribuição desigual do poder. Recrutadores precisam de ajuda tanto quanto os candidatos as vagas de emprego. Qualquer desequilíbrio entre a oferta e a demanda deve ser disputada no âmbito do talento – e quando a disputa por uma vaga for enorme, o valor do salário vai cair.

Portanto, quando você é o recrutador da história, tenha em mente que, para o entrevistado, aquele momento é tão importante quanto é para você. Não há razões para utilizar de táticas complexas ou pegar pesado com quem você ainda nem sabe se vai trabalhar com você ou não.

VEJA MAIS: O que não fazer em uma entrevista de emprego

Bons entrevistadores não precisam saber o quanto você ganha hoje, mas sim sobre as experiências que você já teve na vida. Não há quem queira desperdiçar tempo, bons recrutadores precisam ser realistas com seus entrevistados – ou com qualquer pessoa que seja. O quanto você ganha ou deixa de ganhar não é da conta de absolutamente ninguém.

Um bom recrutador deve dizer a faixa salarial que você supostamente será inserido, ou perguntar qual o seu salário alvo. Desta forma, todos serão honestos! Não deixe que o intimidem ou o façam sentir inferior quando disserem “eu preciso saber o quanto você ganha hoje para o recrutamento”, porque não faz sentido.

E TAMBÉM: 4 sinais de que seu chefe talvez seja pior do que cigarro

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

E é claro, se for por este motivo que a vaga vai deixar de ser sua, fique tranquilo: o mercado gira e o que tiver de ser seu, será. Quanto mais você acreditar em si mesmo, mais pessoas acreditarão em você também. Mas mantenha seus detalhes para si mesmo e lembre-se que para contratá-lo, as pessoas precisam merecê-lo.

Compartilhe esta publicação: