Aprendizados da pandemia: como "hackear o Zoom" para enganar o chefe

Profissionais estão adotando pequenos hábitos para mostrar que estão comprometidos com o trabalho durante videochamadas.

Jack Kelly
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Depois de dois anos de reuniões virtuais, trabalhadores aprenderam a fingir engajamento para enganar seus chefes

Acessibilidade


Após dois anos de videochamadas no Zoom, trabalhadores finalmente aprenderam a manipular o sistema. Algumas pessoas fingem que estão interessadas no assunto da conversa e envolvidas no debate. Já outras usam esse tempo para se promover e polir sua marca. E há aquelas que acham que faz parte do trabalho viver miseravelmente durante 45 minutos.

Vamos falar sério: as pessoas estão cansadas. Estou falando sobre o Zoom, mas me refiro a todas as plataformas de vídeo online, como WebEx, Microsoft Teams, Google Meet e Skype. Todos elas são ótimas, úteis e têm sido uma grande ajuda para conectar as pessoas e para trabalhar durante a pandemia.

No entanto, passar horas e horas em chamadas monótonas pode se tornar algo frustrante, tedioso e oneroso. Quantas vezes você consegue ficar ouvindo seu chefe falar sobre algumas minúcias misteriosas com as quais ninguém se importa?

Os funcionários aprenderam mecanismos de enfrentamento para lidar com as videochamadas constantes. Uma pesquisa recente da XLMedia aponta algumas das técnicas que as pessoas começaram a usar:

  • 2/3 admitem colocar a câmera do laptop em um ângulo que os faça parecer mais dominadores em reuniões de negócios.
  • Quase 25% fizeram videochamadas enquanto pedalavam uma bicicleta ergométrica para parecerem disciplinados, saudáveis e dinâmicos.
  • 82% tentam causar uma boa impressão vestindo trajes formais de escritório na parte superior do corpo, enquanto se vestem algo casual abaixo da cintura.
  • 86% admitem pensar cuidadosamente sobre o cenário e a decoração que aparecerão na tela.
  • Cerca de 54% disseram que desenvolveram o hábito de dizer algo nas reuniões do Zoom apenas para parecer mais engajados.
  • Mais da metade (56%) tenta parecer mais ocupado do que está e têm o hábito de sair de chamadas alegando ter uma outra reunião de trabalho – que na verdade não existe.
  • Uma em cada três pessoas tentou parecer mais comprometida e, para isso, disse estar doente enquanto estava no Zoom,  mesmo estando perfeitamente bem.
  • Mais de dois terços criaram reuniões em suas agendas corporativas online para parecerem mais ocupados. E seis em cada dez dizem que publicam declarações positivas sobre a empresa onde trabalham nas mídias sociais para serem vistos como membros leais da equipe.

O porta-voz Dominic Celica disse sobre a pesquisa de 2 mil pessoas: “Ficamos surpresos com o quão longe as pessoas vão para manter aparências para o chefe e os colegas”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Um outro levantamento, realizado pelo YouGov, descobriu que, entre todos aqueles que já abriram suas câmeras durante as videochamadas, 25% dizem que passam mais tempo olhando para si mesmos. Esse número parece muito baixo, pois muitas pessoas podem não querer admitir abertamente que olham constantemente para si mesmas. Elas não necessariamente são vaidosas – muitos funcionários se sentem desconfortáveis ​​com a câmera ligada, e isso os deixa inseguros.

SAIBA MAIS: 3 coisas que prejudicam a sua liderança em reuniões online

“Desde a liderança até os funcionários de nível básico, 44% dos entrevistados disseram que ter um WiFi ruim é sua maior implicância quando se trata de videoconferência. Mais de um terço dos participantes teve uma série de reclamações: pessoas demais em uma chamada para que todas consigam falar (37%); ser constantemente interrompido (35%); comer durante uma ligação (34%); não prestar atenção (33%) e não silenciar o microfone quando não está falando (33%)”, de acordo com um levantamento do VPNoverview.

O site The Verge compartilhou um interessante “truque”: o Zoom Escaper, criado pelo artista Sam Lavigne, é um aplicativo da web gratuito que oferece uma variedade de efeitos de áudio falsos para sua videochamada que se transformam em desculpas para o funcionário sair da reunião quando ela ficar chata. É possível escolher entre “cães latindo, ruídos de construção, bebês chorando e até efeitos mais sutis, como áudio entrecortado e ecos indesejados”.

Como se as videochamadas não fossem irritantes o suficiente, o Zoom lançará uma série de novos recursos, segundo o New York Post. Um deles “tornará muito mais difícil entrar  atrasado discretamente em uma reunião”. Esse recurso é chamado de “Status de participação” e permite que os organizadores vejam se as pessoas aceitaram ou não seus convites de reunião e se realmente entraram na chamada. Haverá uma lista de nomes “Não inscritos” destacando as pessoas que não compareceram.

Outro ponto irritante é o aumento do jargão corporativo do Zoom. Entre os clichês está: largura de banda, preciso pular para outra chamada, você está no mudo, perdemos você por um minuto, você pode ver minha tela, vamos deixar isso offline, vamos estar cientes do tempo que temos, novo normal, dar 110%, ganha-ganha, pense fora da caixa, alinhamento,  feche o loop, mudança de paradigma, pegando carona, pivô, sinergia, descompacte e “Dave, você ainda está no mudo!”

Compartilhe esta publicação: