Como esta startup atraiu R$ 268 milhões em investimentos de Adam Grant e Jay-Z

A plataforma de freelancers foca em oferecer equipes prontas, um diferencial entre as outras startups, que oferecem apenas o serviço

Emmy Lucas
Compartilhe esta publicação:
Retatro de Jay Z sorrindo usando terno preto sobre camisa branca
Axelle/Bauer-Griffin/FilmMagic/GettyImages

Jay-Z é um dos investidores ilustres da startup de tecnologia A.Team, voltada para busca de talentos tech

Acessibilidade


Raphael Ouzan lançou o A.Team no início de 2020 com uma premissa simples: para construir um produto de alto impacto, você precisa de uma equipe de alto desempenho. Enquanto muitas plataformas freelance permitem que trabalhadores de tecnologia qualificados consigam muitos serviços, Ouzan diz que queria criar equipes de empreiteiros de primeira linha que pudessem “trabalhar em coisas muito maiores”. Até agora, suas equipes de freelancers ajudaram a construir produtos que vão desde software de fabricação de vacinas até um aplicativo de estudo.

A A.Team saiu do modo furtivo, anunciando US$ 55 milhões (R$ 268 milhões) de financiamento em uma rodada da Série-A coliderada pela Tiger Global Management, Insight Partners e Spruce Capital Partners. Entre os investidores de alto perfil da startup: o braço Roc Nation VC de Jay-Z e o guru de liderança Adam Grant. Entre seus 200 clientes, diz Ouzan, estão McGraw-Hill, Lyft, PepsiCo e Saks Fifth Avenue.

Leia mais: 5 diferenciais que os recrutadores procuram nos C-level

Como um produtor de Hollywood que reúne talentos para fazer um filme, o modelo de negócios da A.Team é baseado em combinar talentos de primeira linha com projetos dignos. Isso significa avaliar e restringir quem entra em sua plataforma, solicitando o trabalho certo do cliente e criando uma comunidade por meio de conteúdo, conexões e conversas.

Getty Images

O guru de gestão e liderança Adam Grant também faz parte do time de investidores, além do fundo de venture capital Tiger Global

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Estamos projetando a plataforma para aqueles que não queriam ingressar em uma plataforma”, diz Ouzan, cuja startup de finanças pessoais BillGuard o colocou na primeira lista Forbes Israel 30 Under 30 em 2016. Agora com sede em Nova York, Ouzan montou uma equipe de consultores e investidores de alto nível para a A.Team, que também inclui Shai Wininger, fundador da Lemonade e Fiverr, o vice-presidente de recursos humanos da SpaceX, Brian Bjelde, e o ex-CEO da Upwork, Stephane Kasriel.

Leia mais: Inscreva-se para a seleção da lista Under 30 2022

O que atraiu o sócio fundador da NFX e capitalista de risco Gigi Levy-Weiss para liderar o financiamento inicial de US$ 5 milhões (R$ 24 milhões) da A.Team em 2020 foi a promessa de um novo modelo de trabalho. “Ao mudar o produto de um indivíduo para uma equipe, a A.Team conseguiu mudar tanto a oferta quanto a demanda, e é uma das empresas de crescimento mais rápido que já vi”, diz Levy-Weiss, que também investiu na última rodada .

Junto com a promessa de trabalhar no que Ouzan chama de “desafios de alto nível”, os construtores da A.Team ganham cerca de US$ 130 (R$ 633)  por hora e gastam uma média de 20 horas por semana em projetos. Isso ajudou a acumular uma rede de mais de 4.000 profissionais, com mais de 500 inscrições por mês de outras pessoas que desejam ingressar, de acordo com Ouzan.

Embora Ouzan não tenha divulgado os números de vendas, ele diz que as receitas cresceram mais de sete vezes em 2021. A empresa ganha dinheiro cobrando taxas de clientes empresariais, que ele espera obter a uma taxa de cerca de 100 por mês.

Startups enfrentam escassez de talentos de tecnologia 

O lançamento da A.Team ocorre quando muitas empresas estão lutando para contratar talentos de tecnologia e muitos trabalhadores estão repensando como e por que trabalham. “No geral, parece haver um reconhecimento de ambos os lados de que o modelo tradicional precisa ser revisto”, diz Danielle Phaneuf, diretora de estratégia da PwC que se concentra em questões de qualificação digital da força de trabalho. “Embora a flexibilidade do contrato de trabalho possa ser atraente no curto prazo, também vi pessoas ansiando por conexão, e isso é difícil quando você está constantemente mudando de empresa para empresa, projeto para projeto.”

Com 36% da força de trabalho dos EUA envolvida em trabalhos freelance no ano passado, seja como atividade paralela ou principal, de acordo com um estudo da Upwork, os empregadores precisam cada vez mais se envolver com contratados e plataformas externas para fazer as coisas – e aprimorar seus próprios trabalhadores. Isso é especialmente verdade ao contratar talentos de tecnologia para ajudar a criar novas ferramentas e funções, observa Curtis Britt, vice-presidente da consultoria Korn Ferry. O desafio, diz Britt, é que “um freelancer ou contratado costuma ser uma solução temporária, como um band-aid. O que você vê muitas empresas fazendo agora é tentar ser criativa sobre como elas podem desenvolver seu próprio talento.”

Embora as equipes freelance possam produzir um trabalho de alto valor, o modelo traz riscos. Juntamente com as preocupações usuais de segurança, a terceirização da criação de propriedade intelectual central pode levantar questões sobre direitos autorais e propriedade, diz Adam Robinson, fundador e CEO da Hireology, uma plataforma de gerenciamento de funcionários.

“Ter equipes coesas com alto nível de confiança e a capacidade de resolver problemas e construir coisas em conjunto é realmente fundamental”, diz Robinson. “Se eles são funcionários em tempo integral, fica claro que esse produto de trabalho é de propriedade da empresa. Você tem que ter cuidado com seus acordos com freelancers.”

Empreendedor tem foco nas equipes

Ouzan diz que seu foco no valor das equipes vem de seu tempo como oficial na unidade de inteligência de tecnologia militar de Israel, onde trabalhou em guerra cibernética e criptografia. A A.Team cria uma comunidade para seus usuários convidados – que incluem criadores de produtos independentes, engenheiros de software, profissionais de marketing de produtos, designers e muito mais – criando “equipes baseadas em nuvem” que trabalham juntas em projetos por 12 a 18 meses por vez. Freelancers podem conhecer suas equipes em espaços de coworking, fazer workshops e cursos, participar de mesas redondas e acessar o conselho consultivo e a rede da A.Team.

“O problema com as pessoas que tentam deixar as empresas e escolher seu próprio destino é que não há nada por aí para apoiá-las”, diz Ouzan. “Fiverr e Upwork são ótimos se você deseja obter uma renda extra, mas certamente não é o caminho da autorrealização para o profissional altamente qualificado e com alto salário.”

Vinay Menda, cofundador da empresa de café móvel Blank Street, usou o A.Team para encontrar gerentes de projeto e freelancers para ajudar a criar um aplicativo e um programa de fidelidade. Menda gostou de ter “a flexibilidade de contratar pessoas que são especialistas em determinada coisa para projetos específicos” e de ter a A.Team examinando o talento, o que tornou o processo de contratação mais rápido e eficiente.

Se o modelo A.Team for popular, as empresas com maior probabilidade de sofrer podem ser aquelas que procuram trazer trabalhadores de tecnologia para a equipe. “Começaremos a ver uma proliferação de sites freelance específicos do setor que atingem escala real”, prevê Robinson, da Hireology, “e continuará pressionando a disponibilidade de talentos em tempo integral”.

 

Compartilhe esta publicação: