CEO do iFood na live Leading the Future: "Sou um guia, mas quem faz a empresa são os colaboradores"

Para o fundador do grupo Movile, cultura é investimento. É necessário tempo para ouvir feedbacks negativos e estar exposto aos erros

Redação
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Na live de ontem, Fabrício Bloisi, atual CEO do iFood, explicou porque o ESG gera crescimento para uma empresa

Acessibilidade


Fabrício Bloisi é um life long learner. Foi assim que o cofundador do iFood se colocou na interação com os participantes da terceira live case exclusiva para alunos do curso Leading the Future.Conhecimento nunca é demais e a internet é uma aliada para fazer a diferença”, diz. Por isso o termo vem se tornando cada vez mais popular: a gente aprende sempre.

O Leading the Future é um programa de liderança e empreendedorismo criado pela Forbes em conjunto com a SingularityU, em que são abordados temas que vão do empreendedorismo à neurociência, sempre com foco no desenvolvimento da liderança para os novos tempos, com a participação de grandes nomes do mercado. As inscrições podem ser feitas aqui.

Bloisi nasceu em Salvador (BA) e mudou-se para Campinas (SP) nos anos 1990 para estudar Ciências da Computação na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Em 1998, fundou o Grupo Movile, que ajudou a pavimentar o mercado mobile no Brasil, prestando serviços para operadoras de celular. A holding é dona do iFood, Sympla, Playkids e outras startups.

Aqui, os destaques da conversa com o CEO do iFood.

Investir em cultura é fundamental

“Todos dizem que a cultura é importante, mas quase ninguém está pronto para gastar o tempo necessário em criar uma cultura forte. Não basta falar sobre isso, você tem que escutar feedbacks negativos, se expor à experimentação. É necessário muita energia e esforço para que as pessoas se sintam parte de uma cultura. São as 5 mil pessoas que trabalham no iFood  que o fazem funcionar. Eu posso ser um guia, mas quem faz são eles”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Aprendizado é um movimento constante

“Costumo dizer que há vítimas e empoderados. O empoderado vai buscar conhecimento quando as coisas não dão certo. Vá atrás das fontes, de dados, a internet é uma grande aliada nisso. Aprenda e apresente os conhecimento na empresa”

ESG gera engajamento 

“Acredito muito que as empresas vão ter impacto positivo na sociedade e vão ser medidas por isso. O que percebo é que as pessoas mais jovens querem comprar e trabalhar para empresas com propósito. E aqui há um motivo pragmático para o ESG ser tão importante: gera times mais motivados, mais conectados com o propósito e que fazem a empresa funcionar. O que faço para gerar esse engajamento no iFood é não atrapalhar. As pessoas querem trabalhar com ESG, mas as empresas não dão espaço. Fazer isso bem feito pode ser um diferencial para a empresa funcionar melhor”.

 

Inscreva-se no curso e tenha acesso às próximas lives e a esse e outros conteúdos sobre liderança em tempos de mudança.

Confira as próximas conversas:

14/06: Renata Vichi, CEO do grupo CRM, um dos maiores grupos franqueadores do país, que inclui Kopenhagen, Brasil Cacau e Kop Koffee
16/08: Alexandre Costa, fundador e CEO da Cacau Show, maior fabricante de chocolates finos do Brasil
13/09: Patricia Bonaldi, empresária e estilista, à frente da grife PatBO

Compartilhe esta publicação: